Author Archives: Ponto ZerØ

ENTREVISTA: MARCOS CURIEL GUITARRISTA DO P.O.D.

O P.O.D é uma banda de White Metal de San Diego,Califórnia, formada em 1992, a banda que voltou ao Brasil nesse mês de agosto divulgando seu álbum “Murdered Love” de 2012 em uma turnê que passou por Belo Horizonte, Manaus, Rio de Janeiro e aqui em São Paulo aonde o Ponto ZerØ acompanhou tudo e tivemos a oportunidade de bater um papo com o guitarrista Marcos Curiel.

Ponto ZerØ: Quais são as suas influências mais importantes?
-P.O.D: Eu gosto de várias bandas, Led Zeppelin, Quicksand, U2, Jimi Hendrix, the doors, Pink Floyd, Carlos Santana, rage against the machine, Bad brains, Nas, Tribe called quest, beastie boys. Essa lista pode ser infinita.

Ponto ZerØ: A banda tem mais de duas decadas na estrada, aqui temos muitos garotos que gostam da banda, e que olham vocês como influencia, qual a mensagem o P.O.D deixa pra eles?
-P.O.D: A mensagem que eu mandaria é: Continue com fé, pensando positivo. Toque porque voce gosta, não espere ficar rico com isso, dá muito trabalho, mantenha sempre o foco, faça shows onde puder e sempre que quiser, coloque sua musica online.

Ponto ZerØ: Qual a maior dificuldade que a banda já passou nesses anos de carreira?
-P.O.D: Manter o foco, as pessoas não ouvem a nossa banda pelo musica mais sim pois é um sistema para a fé.

Ponto ZerØ: O que vocês esperam dos shows no Brasil?
-P.O.D: Nós esperamos muita paixão e energia positive, queremos todo mundo cantando junto!

Ponto ZerØ: Qual o maior momento da banda?
-P.O.D: Assinar o primeiro contrato com uma grande gravadora, estar na MTV e ter a musica tocada no radio pela 1° vez.

Ponto ZerØ: Quais musicas não podem ficar de fora do show:
-P.O.D: Alive, YOTN, Boom,Murdered love.

Ponto ZerØ: Vocês dividiram o palco com grandes ícones mundiais do rock, quando a banda participou do Ozzfest, como foi essa experiência?
-P.O.D: O evento foi super divertido,com uma grande experiencia e aprendizado

Ponto ZerØ: Como foi a aceitação do publico?
-P.O.D: Fomos bem recebidos.

Ponto ZerØ: Qual o maior sonho da banda?
-P.O.D: Nós estamos vivendo o sonho, tocar para pessoas do mundo todo e faze-las sentir a nossa musica

Ponto ZerØ: Vocês tem algum sonho em relação a banda?
-P.O.D: Vencer um Grammy seria legal, Considerando que já entramos na disputa, mas ainda não ganhamos nenhum.

A equipe do Ponto ZerØ agradece a Brasil Music Press pela oportunidade.

Clique aqui para ver mais fotos do show. Crédito fotos: Yale Oliveira.

Overdrive lança video clipe de “Love Tricks”

A banda de metal paranaense OVERDRIVE, disponibilizou recentemente o videoclipe da música “Love Tricks“, dirigido por Rafael Michelleto, da Ellipse Films, o clip está ligado a descobertas e experimentações sexuais do ser e conta com a presença das modelos Krys Ferrari e Shanda Cevich.

Formado por Fernanda Hay (vocal), Luis Follmann (guitarra), Diego Porres (baixo) e Joel Jr (bateria), a banda divulga seu primeiro trabalho “OVERDRIVE”, lançado em setembro de 2013 trazendo um som moderno e bastante evoluído musicalmente.

Mais informações
www.overdrivesite.com
www.facebook.com/OverdriveOfficialBR

Primator e Hevilan promovem noite de Heavy Metal autoral no Gillan’s Inn em São Paulo neste sábado

A banda paulistana de heavy metal tradicional Primator continua em estúdio finalizando seu disco de estreia, “Involution“. Previsto para chegar à lojas em Janeiro de 2015, “Involution” está sendo produzido por Daniel de Sá (Andragonia, Crossrock) e vai reunir as faixas “Primator“, “Black Tormentor“, “Deadland“, “Flames of Hades“, “Erase The Rainbow“, “Caroline“, “Let Me Live Again“, “Face The Death“, “Praying for Nothing” e “Involution“.

Os fãs da banda terão oportunidade única de conhecer algumas músicas do álbum de estreia no próximo sábado, dia 15 de Novembro. O Primator fará um show de pré-lançamento de “Involution” no Gillan’s Inn em São Paulo. Na mesma noite também se apresenta a banda Hevilan. Os shows vão começar às 23h e os ingressos estarão sendo vendidos no local por R$ 40,00 (homens) e R$ 20,00 (mulheres). O Gillan’s Inn fica na Rua Marquês de Itú, 284 na Vila Buarque.

Algumas músicas de “Involution” do Primator estão disponíveis para audição no canal da banda no Soundcloud:
Black Tormentor – https://soundcloud.com/bandaprimator/black-tormentor
Primator – https://soundcloud.com/bandaprimator/mp3-primator-02-primator
Praying For Nothing – https://soundcloud.com/bandaprimator/primator-01-praying-for

Mais Informações:
www.facebook.com/bandaprimator
www.soundcloud.com/bandaprimator
www.twitter.com/primatormetal

Paura invade o interior de SP! Shows em Piracicaba e Várzea Paulista

Após importantes shows na capital paulista, o Paura vai invadir duas cidades do interior do Estado de São Paulo neste final de semana. Reconhecido como um dos nomes mais respeitados do hardcore sul-americano, o grupo se apresenta em Piracicaba (14/11 –Benjamin Rock Bar) e é uma das atrações principais do festival Brutal Mosh II em Várzea Paulista (15/11 – Taverna Snooker Bar).

Fabio Prandini (vocal), Rogério FR (guitarra), Claudinei Ferreira (guitarra), Paulo Demutti (baixo) e Fernando Schaefer (bateria) estão na estrada promovendo o elogiado recém-lançado álbum “Tameless”. No repertório, além das novas composições, clássicos como “Reverse The Flow”, “No Hard Feelings!? Fuck You!”, “Bull Control”, entre outras.

É sempre um grande prazer promover a festa do hardcore aonde quer que seja. Temos muitos fãs em ambas as cidades e a nossa expectativa é que estas apresentações fiquem marcadas na memória de todos, da melhor maneira possível. Será devastador!”, declarou o frontman Fabio Prandini.

Recentemente a banda disponibilizou para audição gratuita os álbuns “First Release” (1996), “Reflex of Difference” (1998), “The Myth is Dead” (2003) e “YouKillUsWeOverCome” (2005) no Youtube.

Ouça “First Release” em http://youtu.be/ZJVDXGwrKKk
Escute “Reflex of Difference” em http://youtu.be/qH40dPKa_z0
Confira “The Myth is Dead” em http://youtu.be/Jx2AphzftRo
Curta “YouKillUsWeOverCome” em https://www.youtube.com/watch?v=jfps41rR2jE

Confira o videoclipe produzido para a música “The Privilegie” em https://www.youtube.com/watch?v=YiGEVviZbGc.

Ao longo de diversas turnês pela América do Sul e Europa, a máquina do medo está ainda mais forte e devastadora. O Paura detém 19 respeitados anos de carreira e se destacou devido a grandes performances e bons discos lançados.

Links relacionados:
https://www.facebook.com/paura3rdworld
http://paura.iluria.com/
https://www.facebook.com/UltimateMusicPR

Serviço Piracicaba
Realização: Funderground | fundergroundbrasil.org
Atrações: Paura, Cardiac e Clobberin’ Time
Data: 14 de novembro – sexta
Local: Benjamin Rock Bar
End: Rua Bennamin Constant, 2511 – Centro
Hora: 22h
Ingresso: R$ 12,00 (na porta)

Serviço Várzea Paulista
Festival Brutal Mosh II apresenta Paura | DNR | Fim da Aurora | Quem Matou Isabelly? | Boca de Lobo | Hartz | False Astronomy | Face the Silence | Narcossintese | Preceitos de Morte
Data: 15 de novembro – sábado
Local: Taverna Snooker Bar
End: Rua Sorocaba, 59
Hora: 18h
Ingresso: R$15,00 (na porta)

Andre Matos e Kattah fazem grande show em Curitiba

Andre Matos, um dos ícones o metal mundial, estará em Curitiba com a sua tour “20 anos de Angels Cry“. Andre Matos e banda estarão no Espaço Cult dia 28 de novembro e além da execução na íntegra do lendário álbum, o set list de mais de 2h30 de duração traz os maiores clássicos de sua carreira.

Para esta noite especial, o Kattah será a banda convidada para fazer as honras e representar o heavy metal curitibano. O grupo que recentemente lançou o CD “Lapis Lazuli“, via Baker Team/Scarlet Records, com a produção de Roy Z e Andy Haller (Bruce Dickinson, Ozzy Osbourne, Judas Priest, Rob Halford, Sepultura e System of a Down), tocará em primeira mão músicas de seu segundo álbum, que tem tido grande repercussão na mídia brasileira e internacional.

Serviço:
Show Andre Matos
Banda Convidada: Kattah
Data: 28 de novembro
Local: Espaço Cult
Endereço: Rua Claudino os Santos, 72, Lago da Ordem, Curitiba (PR)
Inf.: (41) 3323-2381
Horário: 21h30

INGRESSOS:
www.ticketbrasil.com.br
Let’s Rock, Túnel do Rock, Microcamp (Centro), Espaço Cult (Terça a Sexta das 10 às 20h, Sábado as 11 às 20h)

Realização: Show Master

Eridanus em tour na Argentina em novembro

O Eridanus continua em ascensão com seu debut CD “HellTherapy“. Os gaúchos que recentemente lançaram o CD em plataformas digitais através da gravadora britânica Raptors Music, continuam colhendo bons frutos de seu mais novo trabalho.

O grupo se prepara para sua primeira viagem internacional, e para a ocasião, a HellTherapy Tour passará por três cidades na Argentina à partir de 21 de novembro.

Carlos Paz, Córdoba e Mauy Sumaj receberão os brasileiros, que prometem um setlist todo voltado ao seu debut álbum que é embalado pela música “Set It On Fire“, que ganhou um videoclipe e é considerado atualmente como o grande hit do Eridanus.

Os profissionais de imprensa interessados em conhecer melhor o trabalho do grupo devem entrar em contato através do email imprensa@furiamusic.com.br. Para contratar o Eridanus para um show em sua cidade os contatos devem ser feitos através do email booking@eridanusofficial.com.

Vera Loca lança álbum “Acústico” em São Paulo

Banda gaúcha se apresenta na Fnac Paulista, dia 18 de novembro.

Créditos: Cristine Rochol

A Vera Loca, uma das maiores revelações do cenário do rock gaúcho, se apresenta no próximo dia 18 de novembro (terça-feira) a partir das 19h na Fnac Paulista, em São Paulo. Os músicos Filipe “Mumu” Bortholuzzi, Fabrício Beck, Hernán González, Luigi Viera e Diego Dias, fazem um Pocket-Show seguido de autógrafos para o lançamento do álbum “Acústico”.

Lançado pelo selo da Ímã Records com distribuição da RADAR, o novo CD apresenta 11 faixas, incluindo os sucessos “Graffiti“, “Palácios dos Enfeites“, “Aos Meus amigos” e “Velocidade“, “Parabólica” e a inédita “Sol a Sol“. O material ilustra o grupo mais maduro, consolidando sua trajetória exitosa no sul do país e experimentando novas sonoridades. Após 12 anos de estrada, banda já tem cinco álbuns lançados, um DVD “Ao Vivo” e é considerada o novo nome forte do rock gaúcho.

Serviço:
Lançamento “Acústico” Vera Loca
Data: 18/11/2014
Horário: 19h
Local: Fnac Paulista
Endereço: Av. Paulista, 901

Krucipha: thrash metal curitibano lança debut CD “Hindsight Square One”

O KRUCIPHA é uma banda curitibana formada em 2009 e que traz em sua sonoridade um thrash metal visceral, mesclado com influências de death, groove metal e hardcore NY, com um tempero e uma veia brasileira presentes em sua percussão que fazem menções a Chico Science e Nação Zumbi.

A banda ganhou destaque na região e foi atração de festivais de renome da região sul do país, como Orquídea Rock Festival, River Rock Festival e Live Metal Fest Curitiba Edition, e também dividiu o palco com grandes bandas como Sepultura, Claustrofobia e Project46.

Em 2013, o Krucipha entrou em estúdio para registrar seu debut álbum intitulado “Hindsight Square One”, álbum que marca a estreia oficial do grupo e que foi gravado no Estudio Bunker em 2013, com produção de Alex Cegalla e da própria banda.

O CD “Hindsight Square One” traz em suas letras temas atuais como os dilemas e paradoxos da vida moderna, alienações, conflitos pessoais, manipulação em massa e a incompatibilidade da sociedade em geral.

Confira abaixo a capa e tracklist do CD “Hindsight Square One“:

I – Greater Good Parasite
II – Pulse
III – Denial
IV – Indigenous Self
V – The Warning
VI – Afforddiction
VII – Tribal War
VIII – Reason Lost

No momento o quinteto formado por Fabiano Guolo (Guitar / Vocal), Luís “RazorB” Ferraz (Guitar), João Ricardo Cavali (Bass / Vocal), Jgör Nosnyój (Percussion / Vocal) e Felipe Nester (Drums) estão com todos esforços voltados à divulgação do debut CD e em breve divulgará datas de sua atual tour.

O Krucipha segue com a agenda aberta para 2014 e os produtores interessados em levar a banda para a sua cidade devem entrar em contato através do email krucipha@krucipha.com. Para informações sobre o novo álbum, agendamento de entrevistas e para receber o press kit do Krucipha, os jornalistas devem entrar em contato através do email imprensa@furiamusic.com.br.

Age of Artemis em destaque nas revistas Roadie Crew e Rock Meeting

A banda Age of Artemis segue recebendo boas críticas e elogios da imprensa especializada. O álbum “The Waking Hour” foi sabatinado pelo jornalista Guilherme Spiazzi na revista Roadie Crew, que deu nota 8,5 para o trabalho.

Ao invés de simplesmente tentar replicar o sucesso de seu ‘debut’, ‘Overcoming Limits’ (2011), o quinteto elevou o nível das composições e deu um passo à frente na carreira com ‘The Waking Hour’” – por Guilherme Spiazzi na Roadie Crew.

Em compensação, na revista Rock Meeting Nº 62, o vocalista Alirio Netto concedeu uma entrevista bem descontraída onde revelou detalhes sobre o novo disco, futuro da banda, entre muitos outros assuntos relevantes.

Para ler a revista basta clicar nos links abaixo.

Leia a revista Rock Meeting: http://bit.ly/RockMeeting62
Download da Rock Meeting: http://bit.ly/RockMeeting62N

O Age of Artemis também lembra os fãs que o evento de lançamento de “The Waking Hour” acontece no dia 28 de novembro, às 20h, no Gillan’s Rock Bar, em São Paulo. “Será nosso primeiro show em São Paulo desta turnê e já estamos muito ansiosos. Trabalhamos duro para fazer uma grande apresentação e dar aos fãs o que eles merecem, ou seja, música de qualidade, garra e conteúdo“, explicou o vocalista Alírio Netto.

Line-up:
Alírio Netto (vocal)
Giovanni Sena (baixo)
Nathan Grego (guitarras)
Gabriel “T-Bone” Soto (guitarras)
Ricardo Linassi (bateria)

SERVIÇO

AGE OF ARTEMIS EM SÃO PAULO
Atração: Age of Artemis
Dia: 28 de novembro de 2014, sexta-feira
Horário: A partir das 20hs
Local: Gillan’s Rock Bar
Endereço: Rua Marquês de Itu, 284 – Centro – São Paulo/SP
Reservas e informações: 11 – 3129-8710
Site: www.gillansinn.com.br

Valores e informações:
Ingressos na porta – Homens R$30 e Mulheres R$ 15,00
Promoção: Mulheres VIP até às 23:00 horas.

Fonte: Brasil Music Press

Outras Informações
Website: http://ageofartemis.com.br
Facebook: www.facebook.com/ageofartemis
Twitter: https://twitter.com/AgeOfArtemis
YouTube: www.youtube.com/user/artemisbrazil
Soundcloud: https://soundcloud.com/powerprog/sets

Angra: Banda apresentará música inédita na próxima semana

No próximo dia (16/11), São Paulo irá receber uma apresentação única e inédita que marcará o fim da turnê em comemoração aos 20 anos do lançamento do aclamado álbum “Angels Cry”. Além dos clássicos a banda irá apresentar uma música do novo álbum de estúdio com Fabio Lione em primeira mão neste show e outras 04 músicas especiais que foram escolhidas por meio de votação popular via facebook oficial do grupo.

Este evento sem dúvida será o ato final de uma grande turnê que se encerra na cidade de São Paulo onde tudo começou.

A banda também disponibiliza aos fãs o meet & greet oficial com diversos brindes e a chance de conhecer o grupo, tirar fotos e pegar autógrafos.

Acesse o site: www.angra.net e veja as opções disponíveis para o SP.

ANGRA – Show de despedida da turnê de 20 anos
Dia: 16 de novembro 2014
Horário: 21h00 – Angra
Abertura: Dreadnox – show time 19h45
Abertura da casa: 2h00 antes do início do espetáculo
Local: Áudio Club
Pista promocional R$60,00 com a doação de 1 kg de alimento não perecível.
Camarote: Ingressos limitados
# BILHETERIA ÁUDIO CLUB
# COMPRA PELA INTERNET
www.ticket360.com.br
Censura: 18 anos
Menores dessa idade somente acompanhados dos pais ou responsáveis.
Duração: Aproximadamente 2h00
Abertura da Casa: 18h45 domingo
Informações gerais: press@toplinkmusic.com

Metal All Stars: Max Cavalera convoca fãs para única apresentação no Brasil

A agência Top Entretenimento apresentará no dia 22 de novembro no Espaço das Américas em São Paulo um grande evento que contará com a apresentação exclusiva do badalado projeto METAL ALLSTARS, composto por várias estrelas da cena do Hard Rock e do Metal mundial juntos dividindo o mesmo palco para uma única apresentação no Brasil.

Os ingressos estão á venda nos canais oficiais da Ticket360 e também na Galeria do rock sem taxa de conveniência.

Confira o recado que o grande ícone do metal nacional enviou aos fãs do Brasil:

https://www.facebook.com/video.php?v=1524439661135542&set=vb.1410910445821798&type=2&theater

Serviço – Metal All Stars com Zakk Wylde, Joey Belladona, Max Cavalera, David Ellefson, Blasko, Vinnie Appice, Cronos, Chuck Billy entre outros.
Banda convidada: Korzus – Show de lançamento do novo álbum Legion em SP
Abertura: Project46 e Capadocia
Local: Espaço das Américas
Endereço: R. Tagipuru, 795, Barra Funda – São Paulo, 01156-000
Data: 22/11/2014 – Sábado
Horário de início dos shows: 21h30
Abertura da casa: 20h00
Informações e compra de ingressos:
Bilheteria:
Pista comum: R$70,00 estudante – R$ 140,00 inteira
Pista Premium: R$ 150,00 estudante – R$ 300,00 inteira
Mesanino: R$250,00 estudante – R$500,00 inteira

Venda Online: www.ticket360.com.br
Imprensa: damaris@hoffmanobrian.com.br

RESENHA: N.L.O. NA EXPOMUSIC 2014

A banda paulista Nem Liminha Ouviu, liderada pelo apresentador Tatola Godas da A Rádio Rock 89FM, se apresentou no palco do Music Hall na Feira Expomusic 2014, o quinteto que conta com Wecko (guitarra), Marcão (baixo), Gabriel (guitarra) e Jacaré (bateria). Traz em seu reportório clássicos do rock brasileiro dos anos 80.

No set, músicas como “Pátria Amada“, “Face de Deus“, “São Paulo” entre outras, agitaram a galera que cantava com Tatola que se destaca com sua presença de palco e suas frases de impacto e protesto, um show curto com gosto de quero mais.

MAIS FOTOS

Fotos: Felipe Domingues
Texto: Tiago Nascimeno

RESENHA: NENHUM DE NÓS NO CINE JÓIA

O Ponto ZerØ acompanhou o último show em São Paulo, da turnê Contos Acústicos de Água e Fogo da banda gaúcha Nenhum de Nós Oficial, no Cine Joia, dia 26 de setembro 2014.

Pouco depois da meia-noite a banda Nenhum de Nós subiu no palco, para o delírio dos fãs que lotavam o Cine Jóia naquela sexta-feira chuvosa.

Logo nas primeiras músicas eles mostraram que não estavam pra brincadeira e chamaram o público para “uma noite de celebração” – palavras do próprio vocalista Thedy Corrêa – a banda mesclou seus grandes sucessos com as músicas do último álbum Contos de Água e Fogo.

O público entendeu o recado e como segunda voz cantaram todas as músicas, ao longo das 02 horas de show.

Voltaram para o bis com uma versão de “Segundo Sol” de Nando Reis, na sequência tocaram a clássica “Camila, Camila” (muito esperada pelo público) e para fechar a noite, a música “massacrada pelos críticos e aclamada pelo público” – como eles mesmos disseram – Astronauta de Mármore.

A banda anunciou que continuará em turnê este ano, mas que acabaram de sair do estúdio onde gravaram o novo álbum previsto para o inicio de 2015.

A banda também está preparando uma nova turnê e a gravação de um DVD em comemoração aos 28 anos da banda. Ou seja, podemos esperar novidades e com certeza mais shows na terra da garoa para o ano que vem…

Agradecemos a Márcia Stival Assessoria pelas credenciais.

MAIS FOTOS

Fotos: Carolina Silveira
Texto: Rodrigo

ENTREVISTA: STEFAN DO VAN CANTO

Nossa redatora Letícia Okabayashi, entrevistou o vocalista Stefan Schmidt, idealizador da banda alemã de metal a cappella VAN CANTO. Na entrevista Stefan conta como surgiu à idéia de montar uma banda de metal a cappella, a escolha dos demais membros da banda, sobre o novo álbum “Hero” e sobre o futuro da banda. Confira:

Oi, Stefan, tudo bem?
Stefan – Tudo bem, obrigado!

Primeiro de tudo, como você teve a ideia de formar uma banda apenas com um instrumento e o resto feito por vozes?
Stefan – Depois de me separar da minha primeira banda, eu queria tentar algo direcionado a voz. Não era planejado ser um projeto deixando de lado os instrumentos completamente, mas no final virou isso. Foi um projeto de estudio se tornando cada vez maior.

Qual foi a reação dos seus colegas de banda quando você os convidou pra fazer parte disto?
Stefan – Bom, foi necessária uma grande imaginação pra entender a idéia, porque eu só mostrei a eles estruturas de músicas com piano e vocais principais. Mas todos os membros foram espertos o suficiente pra tentar.

E por que você os escolheu?
Stefan – Eu os conheço de apresentações que fizemos juntos com minha primeira banda. Eu queria ter vocalistas únicos e de bom caráter. Todos foram a primeira escolha.

Foi muito dificil para as pessoas entenderem a idéia da banda? Como foi o retorno no começo e como é agora? Algo mudou?
Stefan – Na verdade nao. Claro que muitas pessoas nos conhecem hoje, mas aqueles que nao sabem quem nós somos ficam surpresos quando ouvem Van Canto pela primeira vez. Eu acho que leva um pouco de coragem realmente dizerem que gostam de Van Canto, porque é uma forma diferente o que fazemos. Mas é uma boa coisa. A cada critica que encaramos, em sites e etc, muitos fãs respondem pra dizer o quanto Van Canto é grande.

De onde vem sua inspiração pra fazer as melodias e letras?
Stefan – As musicas do Van Canto contam historias sobre força interior, entao a maioria das idéias vem de dentro. Tambem os covers sao musicas que eu tenho carregado em mim há anos.

Como as músicas são compostas?
Stefan – As músicas são compostas no piano, acordes e vocais principais. Depois disso eu organizo a bateria e faço o arranjo de metal-à-capela.

E como é a substituição dos instrumentos pelas vozes?
Stefan – Dá muito trabalho, haha. Imagine que você só pode cantar um tom a cada tempo. Entao pra criar um acorde forte você já tem que ter gravado 3 ou 4 vozes. Então tudo é um pouco mais exaustivo mas muito satisfatório no final.

Mas todos vocês tocam ‘reais’ instrumentos?
Stefan – Só a Inga e o Sly que só cantam. O resto da banda tocam instrumentos como guitarra, baixo ou piano.

Quais bandas são suas influencias?
Stefan – Considerando em letras de músicas, como compositor devo citar Blind Guardian, Nightwish e Metallica. Eu gosto muito de Europe também.

Por que você mudou o baterista depois de alguns shows na Alemanha? E por que o novo baterista foi escolhido?
Stefan – Strilli, nosso primeiro baterista, tinha muitas bandas ao mesmo tempo. Quando nós percebemos que Van Canto ficou um pouco mais sério ele rapidamente avisou que não teria tempo o suficiente. Então nós decidimos procurar um novo baterista. Strilli ainda é nosso amigo. Bastian era meu colega de banda há muito tempo, desde 1996, então a única coisa a fazer foi perguntar a ele.

Van Canto ficou conhecido em todo o mundo depois do primeiro album “A Storm to Come”. Vocês esperavam que seria tão rápido e ter tantos fãs, principalmente no Brasil?
Stefan – Há fãs aqui na Alemanha que acreditavam que éramos uma banda brasileira porque nós temos muitos fãs aí, hehe. Nós nao esperávamos tal coisa. É maravilhoso.

Então, vocês ficaram mais conhecidos aqui pela internet (youtube). Na sua opiniao, a internet e os downloads ajudam ou prejudicam as bandas?
Stefan – Não ajuda e não prejudica, porque todos usam. O que conta é a música, a linha, a idéia unica e todo o trabalho que você põe na banda.

Antes de virem pro Brazil, vocês imaginavam quantos fãs tinham e a reação deles quando chegassem aqui?
Stefan – Não tinhamos mesmo… foi maravilhoso.

E como foi a tour do Van Canto pelo Brasil? O que vocês mais gostaram do público brasileiro?
Stefan – As entrevistas foram ótimas, os programas de tv e rádio foram ótimos também… Mas os shows ao vivo foram impressionantes, demais!

Nas rádios Kiss e Corsário, o baterista, Basti, ‘cantou’ a bateria nas músicas do Iron Maiden. No começo você teve a idéia de não colocar bateria na banda?
Stefan – Não. Eu tinha pensado em beatbox mas percebi que isso não é metal.

Deixando o Brasil, dias depois vocês estavam prontos pra tocar no Wacken Open Air 2008. Como foi a sensação de tocar no maior festival de rock do mundo, tenho apenas 2 anos de estrada?
Stefan – Nós tinhamos apenas 1 ano na estrada! Mas claro que foi um sonho que se tornou real. Um maravilhoso publico! Podem ser comparados com os brasileiros, eu acho, haha.

Eu acho que os shows no Wacken abriram muitas portas pra vocês. Vocês tocarão lá no proximo ano?
Stefan – Veremos. Nós tentaremos tocar lá em 2010. Nao posso dizer ainda.

Agora falando do novo album, “Hero”, como foi a composiçao e gravaçao? Eu penso que uma banda apenas com vozes e bateria é bem mais dificil de gravar do que uma banda convencional, e ficou diferente do primeiro cd.
Stefan – É, como eu disse, é muito trabalho. Mas trabalhar com Charlie Bauerfeind fez com que tudo ficasse interessante e relax. Como produtor do Blind Guardian ele definitivamente sabe como inserir vozes – e muitas delas, haha – na direção certa. Nós colocamos muito trabalho nas vozes da guitarra ‘rakkatakka’, e estamos muito felizes com o resultado.

E agora nós podemos não só ouvir RAKKATAKKA, porque outros sons vieram como este… você pode dizer outro som criado pra cantar suas novas músicas? heheheh
Stefan – Claro, MOMOMO e DANDANDAN and RIDDLEDIDIDDLEDEE e assim por diante, haha. Tente você!

Houve uma grande diferença dos primeiros clipes para o “Speed of Light”. Eu acho que foi porque nos primeiros vocês mesmos fizeram e este ultimo teve uma grande produção. O que você diz sobre isso?
Stefan – Assim como no clipe da “Wishmaster” [Nighthwish cover], nós trabalhamos com uma companhia de produção profissional. Bem, nós nos divertimos muito e gostamos demais do resultado.

Como está sendo a aceitação das pessoas sobre o cd novo?
Stefan – Maravilhosa. Eu acho que estão gostando. Pelo menos nossos shows são esgotados na maioria das vezes, então eu acho que eles gostam, haha.

Neste novo album vocês o fizeram metade com covers. As bandas ficaram sabendo das suas músicas ‘cantadas’? O que disseram?
Stefan – Hansi do Blind Guardian gostou. E sabemos que Manowar e Nightwish gostaram de seus covers também.

No final do show no Inferno Club, no Brasil, os fãs puderam ouvir a versão que vocês gravaram da “Carry On” do Angra. Por que essa musica nao está no novo cd?
Stefan – Nós pensamos em grava-la separadamente… o tempo dirá.

Como foi a idéia de adicionar um dvd ao novo album?
Stefan – Pra entender como nós realmente cantamos todas as vozes, é importante ver como nós movemos nossos lábios e realmente cantamos. Então nós quisemos colocar muitas filmagens no nosso album.

Vocês fizeram covers como Battery, Wishmaster, Fear of the Dark, Stormbringer, Kings of Metal. Foi um desafio pra vocês todos gravar essas musicas de algumas das bandas mais influentes do mundo?
Stefan – Sim, mas esta foi a idéia. Nós queriamos mostrar que as vozes realmente podem produzir sons pesados e fizemos um bom trabalho, eu espero.

Quais são os planos do Van Canto para 2009?
Stefan – Nós estamos em turne na Europa desde outubro passado, e finalizaremos nossa tour com uns festivais juntos com Edguy, Manowar e hammerfall neste verão. Nós entraremos em estúdio de novo no segundo semestre.

Muitos fãs no Brasil estão esperando pela volta de vocês. Vocês rpetendem tocar de novo aqui, no Wacken Rocks Brasil ou em alguma outra data?
Stefan – Nós definitivamente queremos e tentaremos arranjar algumas datas com produtores interessados.

Sobre a música Pathfinder, há uma parte que parece uma percussão brasileira, foi essa a idéia real?
Stefan – Sim, nós queríamos dar aos fãs brasileiros algo unico porque eles nos receberam muito gentilmente.

Stef, muito obrigada pela entrevista, nós desejamos ao Van Canto muito sucesso e eu peço a você que deixe uma mensagem aos fãs brasileiros e aos leitores do Ponto ZerØ.
Stefan – Obrigada pela entrevista e continuem nos visitando no site www.vancanto.de pra ver as novidades, novas musicas e talvez uma nova turne no Brasil.
Se cuidem! Rakkatakka!

ENTREVISTA: HENCEFORTH

Após uma longa parada no grupo devido a vários fatores, o Henceforth volta à tona após quase três anos longe dos palcos. A banda paulista, que conta com a formação de Hugo Mariutti na guitarra, Luis Mariutti no baixo, Fabio Elsas na bateria, Frank Harris no vocal e Cristiano Altieri nos teclados, lançaram seu primeiro álbum em 2005, intitulado “Henceforth”, trazendo vários comentários positivos em revistas especializadas e admiração de seus fãs, com um estilo mais diferente e pesado do que o público dos irmãos Mariutti (ambos ex-Shaman e atual Andre Matos Solo) estavam acostumados a ouvir.

No site oficial www.henceforth.com.br foi disponibilizado gratuitamente o primeiro single “Decay” que fará parte do segundo trabalho da banda, intitulado “The Gray Album”. O lançamento do novo trabalho deve acontecer no segundo semestre.

Em uma entrevista concedida ao PontoZero, Hugo Mariutti e Fabio Elsas comentam sobre seu novo álbum e suas expectativas daqui pra frente.

A nova música “Decay”, liberada no site de vocês para ouvir gratuitamente, já da para perceber certa diferença nas melodias em relação ao álbum anterior. Quais as principais mudanças e inovações que podem ser encontrados no novo CD que difere do primeiro?
Fabio Elsas: A “Decay” é realmente um tanto diferente do restante do nosso material, principalmente se comparada com o material do primeiro álbum. Decidimos lançá-la na internet como um primeiro single, uma idéia do que teremos no novo álbum. O The Gray Álbum, traz, no geral, uma sonoridade mais densa e pesada em relação ao primeiro álbum que trazia nuances mais pronunciadas de progressivo.

A composição do segundo álbum saiu como o esperado? Quais são as expectativas de vocês em relação aos fãs que aguardam o CD?
Fabio Elsas: Bom, estamos 100% satisfeitos com os resultados, tanto no tocante às composições quanto com relação à qualidade de som que alcançamos. Por ter sido composto num espaço de tempo menor do que o primeiro álbum que tem músicas que foram originalmente compostas no começo da banda – existe uma certa uniformidade ou relação entre as músicas.

Hugo Mariutti: Acho que uma das grandes diferenças é poder construir as músicas já pensando em como vai soar na voz do Frank, pois no primeiro trabalho tínhamos músicas que foram compostas originalmente com outra formação e isso desta vez não ocorreu. Acredito que temos um grande material nas mãos.

O primeiro CD foi entitulado com o nome da banda, “Henceforth”. Comentem o significado e o por que o título “The Gray Album” para o segundo.
Fabio Elsas: O título foi uma escolha unânime que partiu da atmosfera geral das letras, que estão bem carregadas nesse álbum.

Hugo Mariutti : Sugeri este título, pois acreditava que nada poderia definir melhor o trabalho todo do que “The Gray Álbum”.

Pelo fato deste álbum ter sido feito mais rápido do que o primeiro (já que o primeiro levou 13 anos para ser produzido desde o início do grupo), vocês vêem diferenças no resultado final devido ao tempo gasto para a composição?
FE: Com certeza aprendemos muito no processo de composição e produção do primeiro álbum, e algumas das lições que tivemos nesse período foram fundamentais para que o processo do segundo álbum ocorresse da maneira que ocorreu. Apesar de termos levado bem menos tempo nesse álbum, a qualidade de uma maneira geral está bem superior à que alcançamos no primeiro.

HM: Uma coisa fundamental é ir direto ao ponto, e depois de um certo tempo de experiência no meio, você acaba indo direto a este ponto, sem ficar perdido e sem fazer loucuras.

“The Gray Album” conta com alguma participação – como teve a de Andre Matos no primeiro – ou cover?
FE: Não, desta vez não temos participações e nem covers. Somos só nós mesmo!

HM: Na minha opinião participação deve ser uma coisa que seja de forma natural.Quando chamamos o Andre foi porque tínhamos uma letra e uma música que pediam uma participação, com uma voz oposta a do Frank, daí pensamos que não tinha ninguém melhor do que o Andre para fazer.

Os shows que aconteceram durante a divulgação do primeiro CD ajudaram, dentre outros fatores, a vocês estarem mais seguros e preparados para trabalharem juntos, já que a banda passou por diversas mudanças na formação. Com o segundo trabalho, a futura tour, poderá ser mais “contínua” comparado ao da primeira?
HM: Com certeza os shows ajudam bastante a banda a amadurecer, porém apesar das mudanças a banda sempre trabalhou muito bem junta. O Frank já está se não me engano desde 2001 com a gente e o Luis sempre freqüentava os ensaios da banda e participou muito da produção do primeiro cd, por isso trabalhamos bem juntos. Quanto uma tour mais contínua não depende só da banda, pois infelizmente nem sempre nos são dadas condições mínimas para fazer shows profissionais. Não fazemos nenhuma exigência anormal, pode ter certeza disso, e vamos fazer de tudo para que com o segundo cd lançado possamos ter mais datas.

Um dos motivos do Henceforth não ter feito muitas apresentações durante a divulgação do primeiro álbum se deveu ao fato da agenda das outras bandas dos irmãos Mariutti, como a do Andre Matos Solo (e até mesmo antigamente, com o Shaman). Vocês acham que esse tipo de situação pode acontecer com a mesma freqüência agora?
FE: Sim, é provável que ocorra, mas isso nunca foi um grande problema, só um fator a mais a se considerar quando programamos algum show.

Ao escrever “The Gray Album” o que vocês mais queriam passar para seus fãs? Existia desde o começo algum assunto a ser abordado ou foi fluindo conforme as composições?
FE: As letras foram surgindo na medida em que as músicas surgiam, e desta vez as letras contaram com uma colaboração muito boa do Frank, que fez várias delas em parceria comigo. O Hugo também participou de algumas.

HM: Queríamos passar nas letras o que sentíamos que a música pedia, e acho que conseguimos um resultado bem apropriado.

Finalizando, deixe sua mensagem para os nossos leitores, e fique a vontade para divulgar – caso já tiver agendado – futuras apresentações. Agradecemos a entrevista e estamos gratos pela receptividade!
FE: Agradecemos pelo espaço! Devemos lançar o The Gray Album em breve, estamos procurando os melhores caminhos para fazê-lo no Brasil e no exterior. Agradecemos a paciência dos fãs e esperamos encontrá-los em breve! Nesse meio tempo, fiquem ligados no nosso MySpace e no nosso site para saber das novidades. Um abraço!

HM: Gostaria de convidar a todos para baixar de graça nosso novo single Decay no nosso site www.henceforth.com.br, e que fiquem ligados, pois o novo cd está muito legal. Abraço!

RESENHA: BITTENCOURT PROJECT – BRAINWORMS I

Por: Danielle Feltrin

Já está à venda o primeiro – e tão aguardado – álbum solo de Rafael Bittencourt, guitarrista e fundador do grupo Angra. “Brainworms I” é o nome de seu projeto, cuja tradução literal é “Vermes do Cérebro”, um termo usado por neuro-cientistas americanos para designar certos tipos de melodias que fixam em nossa memória nos atormentando por um bom tempo. Inspirado neste conceito, Rafael Bittencourt escreveu as 11 canções e um bônus track que integram este CD.

“Dedicate My Soul” é a que estréia o álbum, uma forte música tanto musicalmente quanto textual, misturada com percussões brasileiras, hard-rock e metal progressivo. “Holding Back the Fire” entra como uma onda mais melancólica na segunda faixa do disco. Com acordes limpos, lembra som dos anos 80 como Queen e Yes. Também com uma letra marcante, nos faz repensar em diversas coisas que fazemos durante o dia, durante a vida.

Na terceira faixa “Torment of Fate” Kiko Loureiro (Angra) participa da música auxiliando na composição da intro do qual ganhou um arranjo “Tango-punk”, onde o guitarrista assume também sua influência de Linkin Park e Evanescence nesta música, bastante moderna. A letra trata de um alerta para o Aquecimento Global, muitíssimo intrigante. A próxima se chama “The Dark Side of Love”, uma balada romântica bem diferente, onde a letra retrata um sujeito que está sempre mudando a maneira de encarar os fatos e conclui que sempre há tempo de mudar a maneira de se encarar a vida.

“Nightfly”, puxada pra um estilo classic-rock, é uma das músicas mais íntimas de Rafael. A letra conta sobre memórias que ele tem da casa de praia de seu avô, de onde vêm suas melhores lembranças de quando era pequeno. A sexta faixa “The Underworld” é uma das mais famosas do álbum por ter sido uma das primeiras a entrar em divulgação antes do lançamento. Nesta faixa Rafael conta com a participação de Amon Lima com seu violino elétrico, dando um tom mais “sombrio” na música, onde retrata o submundo, um universo enorme de tudo que não sabemos, o nada sem respostas.

“Faded” é uma canção serena com leves toques de guitarra elétrica, inspirada em bandas como Pink Floyd, U2 e Coldplay. “Santa Teresa”, a faixa seguinte, é uma composição antiga com base de todos os arranjos numa viola caipira. Há uma mistura de música brasileira e até uma percussão meio indiana lembrando Led Zeppelin.

A seguinte, “O Pastor”, é o único cover do álbum, gravada originalmente pelo grupo português Madredeus. Muito fã, Rafael sempre quis gravar alguma música do grupo por ter uma assimilação com música new age e erudita, além de que o músico queria gravar algo em português, e esta foi sua oportunidade. A próxima faixa se chama “Comendo Melancia”, um instrumental regravado contando com a participação de Ricardo Confessori na bateria (ex-Angra e atual Shaman). Solos com bastante dinamismo e bem pesados.

“Primeiro Amor”, também instrumental e regravada, é toda feita por um violão solo mesclando o típico som brasileiro, homenageando também os vários violonistas que ajudaram a criar o estilo brasileiro de tocar este instrumento. A última faixa definida como bônus é a “Nacib Veio!”, na qual não faz parte do contexto do disco, porém é uma canção antiga do Rafael e decidiu então regravá-la, ficando bastante interessante com linhas de guitarra bem trabalhadas e um dueto country entre o guitarrista e o violino de Amon. A idéia de sua letra é retratar o povo simples morador do campo, baseada em fatos e pessoas reais que estão em sua memória.

Interessante ressaltar que, na compra do álbum, além do encarte com as letras vem junto um livreto com as traduções e significados da composição escritas pelo próprio Rafael Bittencourt. Curioso e instigante, a leitura te deixa por dentro de todas as considerações textuais e musicais interpretadas pelo Rafael com muitos detalhes, que por ventura foi de onde foi tirada a maioria das informações aqui expostas. Musicalidade, talento, sentimento, técnica e originalidade são algumas das qualidades do músico e também encontradas em “BRAINWORMS I”. Vale a pena ouvi-lo integralmente e prestar atenção em suas mensagens, aonde são contemporâneas e apocalípticas na maior parte do tempo.

Nota: 9

RESENHA: VAN CANTO – HERO

Por: Letícia Okabayashi

O segundo álbum da criativa banda alemã Van Canto foi lançado em setembro, intitulado “Hero” [nome mais que justo à banda que se auto-intutula “Hero-Metal a – capella”], pela Gun Records, ainda sem previsão para lançamento no Brasil. Este cd vem com uma melhor produção e acabamento do que o primeiro, “A Storm to Come”, lançado em 2007. Os poucos que tiveram oportunidade de ouvir o cd em formato digipack entregues no Wacken 2008, com uma pequena amostra das músicas que viriam, já tem uma idéia do que a banda se propôs neste novo trabalho.

Este novo álbum é composto por 5 músicas próprias e 5 covers, que são: “Kings of Metal” (Manowar), “Stormbringer” (Deep Purple) que sem dúvida são as músicas mais diferentes já cantadas por eles, sem frescuras e tendo até solos de baixo por Ike, deixando claro que a banda também se daria bem se optasse por um estilo mais “clássico”; “Wishmaster” (Nightwish), na qual Inga mostra o que realmente a inspira, sem perder a personalidade na voz; “Fear of The Dark” (precisa citar de que banda?) fica meio ‘vazia’ em relação aos outros covers, não deixando de ser um ótimo desafio à banda e aos ouvintes, principalmente nas partes de Sly, deixando uma marca na música com seu timbre forte e onde Stefan executa seus solos com distorções absurdas. “Bard’s Song” (Blind Guardian), é explicativa quanto ao talento na voz destes membros (até mesmo o baterista deixou as baquetas de lado e se juntou às vozes), uma música cheia de vocalizes e passagens emocionantes, onde fielmente reproduzem o feeling da original. Desafio pois não é qualquer um que sai solando ou fazendo os riffs destas bandas, no máximo reproduzem som parecido com instrumentos, coisa que aqui só a bateria pode fazer.

Quanto às próprias, não é mais possível em todas as músicas se ouvir o famoso “Rakka-Takka” (podem surgir outras onomatopéias!) pois está mais diversificado quanto à isso, e em certas partes do cd, uma distração pode fazer esquecer que são apenas vozes.

“Speed of Light” foi a primeira música apresentada à mídia, no Myspace e em seguida em alguns sites, junto com seu clipe (diga-se de passagem muito, muito melhor produzido que o primeiro da banda) já iniciando o espírito de “Preparem-se, Heróis!” de suas canções, um som muito “power a-capella”; “Pathfinder” pode ser considerada a música própria mais aleatória deste cd, por conter uma diferente percussão no meio dela, um tanto “abrazileirada” que encaixou bem às vozes, seguida de “Quest For Roar” (ambas executadas no show em São Paulo), inevitável não perceber as guitarras-base de Ross, e pode-se ouvir que Basti não sabe fazer somente pedal duplo “speed” mas que tem muito ritmo também; “Take to the Sky” combinou com a voz do convidado Hansi Kürsch (Blind Guardian) na qual participou e deu à música um toque a mais; a última própria (e última faixa do álbum) é a faixa-título, “Hero”, o dueto dos vocalistas principais encaixa muito bem às passagens de pedal duplo, totalmente num clima heróico (chega a ser redundante), remetendo à trilha sonora de filmes épicos que encerra o disco, explícito ao estilo da banda.

A banda é nova, apenas 2 anos de estrada, e neste novo álbum já incluiu um DVD no pacote com clipes, fotos e cenas de sua tour pelo Brazil em junho deste ano.

Ao ouvir Van Canto muitos podem odiar, já outros amar, mas é indiscutível quanto ao talento, entrosamento (de sobra), criatividade e principalmente ousadia que estes 5 vocalistas e baterista têm.

Tracklist:

CD:
01. Speed Of Light
02. Kings Of Metal (Manowar Cover)
03. Pathfinder
04. Wishmaster (Nightwish Cover)
05. Bard’s Song – In The Forest (Blind Guardian Cover)
06. Quest For Roar
07. Stormbringer (Deep Purple Cover)
08. Take To The Sky (feat. Hansi Kürsch)
09. Fear Of The Dark (Iron Maiden Cover)
10. Hero

DVD
01. The Mission Videoclip
02. Battery Videoclip
03. Making Of “Battery”
04. Speed Of Light Videoclip
05. Making Of “Speed Of Light”
06. Rain Videoclip
07. Brazil Video
08. Studio Report
09. Track by Track
10. Photo Gallery

Nota: 9

RESENHA: ALMAH – FRAGILE EQUALITE

Por: Letícia Okabayashi

O segundo cd do projeto solo de Edu Falaschi (agora sendo não só um projeto e sim uma banda) intitulado Fragile Equality, lançado pela JVC e Laser Company no Brasil, está trazendo uma versátil faceta ainda não conhecida dos músicos que se juntaram para a nova formação da banda ALMAH.

Conhecido mundialmente por ser vocalista da banda Angra, engana-se quem pensa que Edu segue a linha desta banda, pois há mais peso e áreas musicais mais exploradas. O cd mistura várias influências de heavy, power, thrash e prog metal, na medida certa para cada música e melodia de voz.

Repleto de diferentes linhas de voz, como jamais antes em seus trabalhos, nota-se uma grande evolução desde o primeiro cd, não só nas vozes e instrumentos, mas nas letras, produção e divulgação. Tanto que sua primeira tiragem foi esgotada na Expo Music 2008, em um só dia.

Com muitos duetos de solos de guitarra, baixos ainda mais pesados e frases de bateria diversificadas, Fragile Equality está caindo na graça não só dos que já eram fãs, mas também dos que não conheciam o trabalho da banda. As letras se tornam um mundo à parte, falando principalmente sobre desigualdade, em todos os aspectos, e por outro lado um otimismo sem igual, todas assinadas pelo próprio fundador da banda.

Nas três primeiras musicas – “Birds of Prey”, “Beyond Tomorrow” e “Magic Flame” – já é possível perceber que não estão de brincadeira. Compassos rápidos acompanhados de efeitos de teclados, muito pedal duplo e solos de guitarras em sintonia descrevem o inicio deste álbum. Na terceira principalmente, muito bem executada a forma de como o ritmo e o tom da música vão subindo ao decorrer dela.

Na música seguinte, “All I Am”, vem a primeira balada do cd, com refrão marcante com violões e coro, dá um ar enfático e, o que seria somente uma balada, se torna uma linda obra com muito sentimento. Seguida por “You’ll Understand”, primeira musica apresentada no Myspace à mídia, tem efeitos sonoros e muito drive na voz, destaque para Felipe Andreoli com um pequeno solo no meio da música, fazendo ponte a um extenso dueto de solos de guitarra de Paulo Schroeber e Marcelo Barbosa.

“Invisible Cage” vem como a música mais leve do álbum mesmo com passagens obscuras, com percussões e ritmo diferente das demais músicas, o oposto da faixa título, “Fragile Equality”, com muitas influências de thrash nas partes cantadas, quase não se pode reconhecer a voz do Edu até o refrão e Marcelo Moreira se destaca nesta música pelas passagens de bateria.

“Torn” é mais uma musica notável no cd por se perceber claramente linhas de voz e melodias jamais ouvidos no primeiro Almah. “Shade of My Soul”, a segunda e última balada do disco, vem com um clima intimista, calmo, um tom de voz doce e forte. Encerrando o álbum, “Meaningless World” é uma música um tanto diferente das demais por sua pegada mais ‘power’, mas não deixa a desejar por ser a última.

Fragile Equality sem dúvida é uma grande produção, um cd que deve ser ouvido com atenção para se notar que cada mínimo detalhe foi pensado e escolhido para fazer parte disto. Não é necessário ouvir mais de uma vez para se cantar um refrão ou outro, cantar os solinhos de guitarra ou ‘bater cabeça’ no ritmo da música. Com certeza muitos se surpreenderão ao ouvir o novo trabalho da banda Almah, que está mais diversificado e autêntico do que nunca.

1. Birds of Prey
2. Beyond Tomorrow
3. Magic Flame
4. All I Am
5. You ll Understand
6. Invisible Cage
7. Fragile Equality
8. Torn
9. Shade of My Soul
10. Meaningless World

Myspace: www.mypace.com/almahedufalaschi

Nota: 9

RESENHA: HEREGE – HEREGE

Por: Edu The Great

Muito bem, muito bem, e minha primeira missão aqui no Ponto ZerØ vem com uma banda “nova”, sim, entre parênteses dessa forma pelo fato de ter sido formada em 2001 pelo que andei pesquisando e sinceramente? É uma belíssima surpresa dessa banda que vem diretamente do Sul do país.

A banda em questão chama-se Hertege e, particularmente, ainda não havia ouvido material desses quatro músicos que tem muito a mostrar pela frente se realmente correrem atrás porque demonstram nesse disco que leva o nome da banda uma linha Heavy Metal com um certo groove chegando a dar umas levadas de AOR e Hard Rock.

Bem, levando em conta música por música podemos dizer que o disco começa muito bem: a primeira faixa “Blitzkrieg” é do estilo que me agrada com uns violões simples porém com melodia, isso é fundamental para um bom início de audição. Em seguida uma porrada com “Last Days Of The Führer”, típica música de continuação para a abertura do disco. Como o próprio nome já diz, é uma faixa do tipo “revoltada” e soa muito bem. O vocal de Dennis Lima deixa claro a influência de um Metal Melódico mais arrastado, isto é, porque a banda foge e muito desse estilo melódico e cai numa linha Heavy com Prog misturada com AOR. No entanto, gera uma expectativa que é desmascarada na terceira faixa, denominada “Bear Versus Eagle” que é seguida por “Congress Cellars” em uma seqüência só, uma complementando musical e liricamente. Novamente, o vocal manda bem e as guitarras de Dalton Castro chamam bastante atenção, mostrando-se super técnico e com levadas à lá Satriani. É importante destacar na faixa seguinte “Warfare”, a cozinha muito bem conduzida por Maurico Velasco (Drums) e Rodrigo Dantas (Bass) dando vestígios de uma influência clara de Judas Priest nessas viradas repentinas entre o chimbal e o bumbo com as cordas do baixo.

Muito bom! Na seqüência do disco temos “Turn Of The TV”, uma música extremamente rápida e direta, com passagens meio Balck Sabbath e Def Leppard. Aliás, uma coisa muito interessante é a levada oitentista dessa banda: os caras carregam uma imensa característica de estarem na época errada! Mas enfim, músicas boas seguem, como no caso de “Plastic Flowers” onde novamente o violão retorna para dar um ar corretíssimo no balanceamento das músicas. Uma épica de nove minutos onde chega a lembrar o Angra “Nova Era” tanto na melodia quanto na voz de Denis que recria um vibrato interessante. Essa talvez seja a melhor do disco por sua criação e composição muito bem feitas. Depois seguindo para o fim do disco temos uma música bem estilão Metal: bateria e baixo pegando pesado e a guitarra com a distorção no talo! Muito boa a “Free Yourself”, tal qual “Limit” que novamente põem à prova a cozinha da banda e se saem bem demais da conta demonstrando que são dois músicos que aprenderam a encaixar os instrumentos em suas devidas funções. Nesta a guitarra utiliza um pouco mais de efeitos, aparentemente colocados meio de lado nesse disco mas de uma forma consciente. Para finalizar, temos “The Letter”, uma música que me lembrou demais aquele disco lançado por Renato Tribuzy que teve participações especiais ilustríssimas de Bruce Dickinson, Mat Sinner, entre outros tanto pela parte vocal tanto pela forma agressiva com que os músicos criaram em cima de uma música que aparentemente é simples, porém ao deparar-se com a qualidade da gravação e da composição percebe-se que foi muito bem preenchida. Uma ótima forma de encerrar um disco ainda cru em alguns aspectos, porém com uma banda que demonstra uma certa maturidade na hora de compor. Com certeza falta arriscar um pouco mais na audácia de ser além de uma banda de Heavy Metal apenas, mas estão de parabéns! Recomendo!

Faixas:
01. Blitzkrieg
02. Last Days Of The Führer
03. Bear Versus Eagle
04. Congress Cellars
05. Warfare
06. Turn Of The TV
07. Plastic Flowers
08. Free Yourself
09. Limit
10. The Letter

Integrantes
.Dennis Lima – (Vocal)
.Dalton Castro – (Guitarra)
.Rodrigo Dantas – (Baixo)
.Maurico Velasco – (Bateria)

Nota 8.0

RESENHA: MAGICIAN – TALES OF THE MAGICIAN

Por: Danielle Feltrin

Ultimamente eu não tenho ouvido muito o gênero Power metal, estou mais na linha dos classicão, porém, me veio um CD deste estilo para fazer resenha e não hesitei em escrevê-lo. E confesso que este chamou minha atenção, e me fez resgatar o pouco que restava do meu gosto por esse estilo mais pesado, melódico, ousado e cheio de inovações.

Estou falando da banda MAGICIAN, brasileiríssima, com o álbum “Tales of the Magician”, gravado em Porto Alegre e mixado por Dirk Schlachter e Arne Lakenmacher, em Hamburgo na Alemanha. A banda existe desde 2000, e este último álbum foi lançado em meados de 2007, mas ainda é bastante repercutido pela mídia, com uma divulgação à tona e com lançamentos de clipe.

As feras que integram o grupo são Dan Rubin (vocais), Renato Osorio (guitarras), Cristiano Schmiff (guitarras), Elizandro Max (baixo) e Bocchi (bateria).

O CD começa com uma intro chamada “Let The Spell Begin”, com belos coros e guitarra pesada, mostrando desde já elementos progressivos. Em “Prime Evil”, segunda faixa, já mostra sua influência melódica, com solos pegajosos e um vocal bastante trabalhado. “Underworld Terror”, a faixa seguinte, traz seu riff característico, licks de guitarra e um refrão bem feito pelo vocalista, com vocais que grudam na cabeça.

Ao longo do álbum os solos de guitarra chamam muito a atenção. O uso de coros, refrões pegajosos e dueto de guitarras lembram muito bandas como Angra e Symphony X, que também mesclam bastante essa característica. Posso dizer que o MAGICIAN é uma mistura destas duas bandas; que usa vocais operísticos e os riffs de guitarra unindo-os com uma coesão admirável.

As músicas que se seguem, com esta mesma linha de avaliação são as “Sandstorm”, “Terminal Day”, “Dark Ritual (Hear Your Master)”, “Minstrel’s Domain” – esta música é a que tem um vídeo clipe, já disponível. A seguinte é a “Siege on Zelgian” (o trecho inicial desta música me lembrou muito o Angra, talvez pelas guitarras tocando ao mesmo tempo um solo, muito bom!), “Crossing the Last Gate” e por último a aparente balada “Let the Harmony Endure”, compara com as pesadíssimas músicas acima da lista.

O que percebi também de em comum entre as músicas é os timbres sombrios e celtas que aparecem em instrumentos clássicos durante as músicas, bastante interessantes. As músicas ficam com um ar mais pesado, misterioso, e eu gosto disso em músicas deste estilo, os corais ajudam muito a ir para esse lado “místico” de uma música.

Destaco o excelente trabalho de guitarras, com duelos e solos bastante convincentes, apoiados por uma cozinha coesa e impecável, dando todas as condições para que o vocalista Dan Rubin possa trabalhar muito bem, sem agudos desnecessários e com refrões empolgantes.

Recomendo para quem gosta de ouvir músicas do estilo, quem gosta de procurar por bandas novas e, principalmente, para quem apóia o metal brasileiro, que infelizmente no momento está precário (não que um dia o metal nacional estivesse no auge como as bandas européias), mas que isso nunca significou que o nosso metal é descartável ou inferior às demais. Parabéns à banda MAGICIAN, e tomara que um dia eles virem um “Angra” da vida, com muito sucesso pela frente, pois potencial e qualidade musical é o que não falta.