SHAMAN VOLTA AS ATIVIDADES EM UM SHOW REGADO DE EMOÇÃO E RENOVAÇÃO EM SÃO PAULO

Texto: Thiago Tavares
Fotos: Felipe Domingues

No último dia 09 de fevereiro, o repórter que vos escreve e o fotografo Felipe Domingues presenciamos a renovação de uma das maiores bandas de rock/heavy metal do país. Uma renovação com “R” maiúsculo, digno de uma banda que nunca deveria interromper suas atividades devido ao grande reconhecimento e contribuição com a cena do metal no Brasil.

O Shaman voltou as atividades, iniciando na capital paulista com a Nagual Fly Tour e uma grande responsabilidade: reerguer-se após o fatídico falecimento do vocalista André Matos em 8 de junho do ano passado, devido a um infarto fulminante. De lá para cá, havia uma incerteza acerca da continuidade da banda, uma vez que não só todos os integrantes da banda, mas como uma legião de fãs e por que não dizer discípulos de André ficaram chocados com o fato. Mas como já dizia uma das mais célebres canções brasileiras “O show tem que continuar”. Enfim, após essa fase de luto, estávamos ansiosos em prestigiar a volta da banda no início de uma noite chuvosa daquele domingo.

Devidamente credenciados, adentramos a Áudio e essa sensação de ansiedade era perceptível também aos fãs e demais colegas de imprensa em querer saber como seria o “novo Shaman”, uma vez que já havia a divulgação de que Alírio Netto assumiria os vocais da banda, sem alterações nos demais integrantes e como seria a atuação do novo vocalista perante as músicas, sendo que seu desempenho no palco dispensa apresentações.

Mas para aquecer os motores da galera, houve a apresentação da banda Sioux 66 como banda de abertura que apresentou seu repertório distribuído em três álbuns lançados e que recentemente está trabalhando na divulgação do mais novo trabalho intitulado “MMXIX” (2019), onde dentre as músicas executadas, destacam-se “Paralisia”, “Respostas” e “Aqui Estamos”.

Foto: Felipe Domingues

A banda é formada por Igor Godoi (vocal), Bento Mello (guitarra), Fabio Bonnies (baixo), Gabriel Haddad (bateria) e Yohan Kisser (guitarra) onde em uma apresentação de mais ou menos 45 minutos, trouxe boas impressões acerca das músicas para quem não conhecia a banda, entretanto, deve-se aplaudir de pé a iniciativa de bandas como a Sioux 66 em produzir um repertório completamente em português e assim poder expandir ainda mais a cena do metal brasileiro mundo afora, onde uma parcela da galera ainda torce o nariz e uma outra, não vê com bons olhos sob o aspecto financeiro/fonográfico.

Foto: Felipe Domingues

Após o fechamento das cortinas, o público estava afoito em ver o ressurgimento do novo Shaman. Um Shaman que agora, tem um novo titular no vocal, com a grande responsabilidade de substituir André Matos. Substituir? Não é conveniente utilizarmos essa palavra, mas havia também um sentimento de curiosidade de como seria o Shaman na voz de Alírio Neto, por mais que ele tenha um currículo invejável com apresentações memoráveis como o musical Jesus Cristo Superstar e tendo atuado nas bandas Khallice e Age of Artemis e atualmente vocalista do Queen Extravaganza, o que poderíamos ver era uma apresentação a atura da banda e do André.

Foto: Felipe Domingues

A ansiedade aumentou ainda mais quando foi executada Acident Winds, arranjo orquestrado de abertura do disco Ritual de 2002. Logo em seguida, foi tocada Turn Away do álbum Reason, onde durante a execução da mesma, foram captadas diversas cenas para a realização de um clipe, a ser exibido no futuro. Nesta música, literalmente Netto mostra seu cartão de visitas, no qual me surpreendeu bastante a sua interpretação.

Foto: Felipe Domingues

Se muitos ficaram surpresos com a desenvoltura da primeira música, em Distant Thunder os elogios foram devidamente superados.

Em For Tomorrow já era possível desenhar o que iriam apresentar seria totalmente diferente da última apresentação da banda na capital paulista, e que durante a interpretação da música era nítido uma mistura de saudade e de alegria. Saudade por não ser o André cantando a mesma, mas também a alegria da galera era visível pois não só o Alírio mas como a banda estava se entregando demais para o show aos presentes. Eles estavam de volta, prontos e dispostos a fazer o melhor show.

Foto: Felipe Domingues

Prova dessa entrega foram as execuções de Time Will Come e More, cover da banda Sisters of Mercy, muito bem executado e era perceptível como todos da banda estavam alegres e cheios de energia em escrever mais esse capítulo da banda.

Foto: Felipe Domingues

Em meio ao clima de saudade e também de novas energias para a nova fase do Shaman, a banda apresentou a nova música de trabalho, intitulada Brand New Me, esta já com a assinatura de Alírio Netto. A mesma não foi apresentada em sua versão final, entretanto a proposta da letra é bem clara, onde em uma interpretação livre diz em Sentir o novo eu, escute o novo eu, onde nada dura para sempre. Uma clara mensagem que por mais haja o novo, não iremos esquecer do passado, da origem de tudo. O que pode-se ouvir na música são linhas tribais, vilões, piano, entre outros elementos. A galera cantou junto o refrão, uma vez que o mesmo foi divulgado antecipadamente nas redes sociais, mas tem tudo para ser um ótimo single para um futuro álbum de inéditas.

Foto: Felipe Domingues

E é claro que não poderia faltar uma porradaria do disco Ritual:  Here I Am que fez agitar o público presente na Áudio.

Foto: Felipe Domingues

Mais a frente, veio a parte do show onde na minha visão foi a parte mais emocionante e emblemática (por que não dizer assim). A partir de Fairy Tale foi quando a saudade bateu no peito de cada espectador que estava presente naquele show. Olhava ao meu redor, e varias pessoas começavam a se emocionar, de ir as lágrimas com a interpretação de Alírio diante do piano. Eu olhava a ele percebi por alguns instantes que ao mesmo tempo que ele se entregava para uma ótima interpretação, seus olhos começavam a ficar marejados, com uma voz levemente embargada, e que sem sombra de dúvidas passou um mix de sentimentos na cabeça dele naquele instante, onde cantar uma música que é considera o cartão de visitas do Shaman e que somente era algo que André Matos fazia com maestria, realmente não era nada fácil. E o público reagiu muito bem, sendo ovacionado pela multidão. Claro que não poderia faltar a participação de um grande amigo de André e que se tornou perfeito ainda mais o espetáculo: o violinista Marcos Vianna.

Foto: Felipe Domingues

Mas a emoção estava apenas no início. Se grande parte da galera já estava chorando com a interpretação anterior, o momento a seguir fez ninguém se conter. A banda sai de cena, ficando apenas Alírio e Marcos e em destaque, mais ao centro do palco é colocado o terno que André usava religiosamente em suas apresentações. Diante daquele terno, como se André olhasse para aquela multidão, a dupla executou um medley arrebatador que é a cara do mestre: Living for the Night do Viper, Endeavour da carreira solo, No Need to have an Answer do Virgo, projeto de 2002 encabeçado por Matos e o produtor  Sascha Paeth e The Show Must Go On do Queen.

Foto: Felipe Domingues

Uma vez com a apresentação chegando a seus momentos finais, prepararam um final que para mim foi bastante satisfatório: Born to Be, novamente com a participação de Marcos Viana, Ritual e Lisbon do álbum Fireworks do Angra.

Para fechar as contas em positivo, a banda chama o último convidado da noite. Bruno Sutter dividiu os microfones com Alírio Netto na interpretação de Pride, fazendo a parte do alemão Tobias Sammet.

Foto: Felipe Domingues

Sobre tudo o que presenciamos, pode-se constatar que o Shaman veio com todas as forças, de uma forma que comoveu todos os presentes e também mostrou que ressurgiu para dar continuidade ao legado do mestre, onde de seus seguidores terão a grande missão de manter viva a chama do metal brasileiro. Viva André Matos! Vida longa ao Shaman!

Em nome do Ponto Zero, agradecemos a Heloísa Vidal da Free Pass Entretenimento pelo credenciamento para a cobertura.

Sioux 66:

Paralisia

Outro lado

Alma

Respostas

O Rei (O Que Te Faz Estar Aqui)

Bark at the Moon (Ozzy Osbourne cover)

Aqui estamos

Diversão (Titãs cover)

Caos

Shaman:

Ancient Winds

Turn Away

Distant Thunder

Reason

For Tomorrow

Time Will Come

More (The Sisters of Mercy cover)

Innocence

Brand New Me

Here I Am

Iron Soul

Fairy Tale

Medley: Living for the Night / Endeavour / No Need to Have an Answer/ The Show Must Go On

Born to Be

Over Your Head

Ritual

Lisbon (Angra cover)

Pride

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Navigation