ESQUADRÃO DE ZUMBIS AGITA PÚBLICO NO FABRIQUE CLUB EM SÃO PAULO + ENTREVISTA COM RENE SIMIONATO

Por Thiago Tavares

No último dia 24 de fevereiro aconteceu no Fabrique Club, na Zona Oeste de São Paulo o penúltimo show da tour Esquadrão de Zumbis formado pelas bandas Zumbis do Espaço e a clássica banda de trash metal Torture Squad e claro que o Ponto ZerØ não poderia faltar a esta festa regado a muito metal com um mix de punk rock, metal e country dos caras dos Zumbis.

Até então não conhecia nenhuma casa de shows do gênero de rock na região Oeste antes de conhecer o Fabrique, mas aparentemente foi o primeiro show no qual a casa abriu as portas para o estilo, casa essa de médio porte, ambiente bem legal para se divertir e que horas mais a frente lotaria para ver duas correntes do rock nacional.

Entretanto essa resenha é mais do que descrever um show assim como fazemos em outras matérias. Quando solicitamos o credenciamento, fomos informados que estava em pauta além da matéria tradicional uma entrevista exclusiva com o guitarrista do Torture Squad Rene Simionato. Aí penso: “Que responsabilidade! Uma entrevista? Nunca tinha feito na vida, era mais fácil eu ser entrevistado para arranjar um trabalho!”. Mas arregaçamos as mangas e fomos a luta afim de saber o que ele pensava sobre tocar em uma das bandas mais conhecidas e respeitadas do cenário nacional. Passaram-se os dias, surgiram as sugestões, muitas anotações, rascunhos e depois de muitas folhas amassadas e rabiscos já fui com a pauta pronta para o sábado.

Adentrando ao camarim, isso mais ou menos 17:15, o Rene já estava a minha espera, onde me apresentei, e contamos um pouco do nosso trabalho na divulgação dos shows e afins. Depois de um papo descontraído, iniciamos a entrevista no qual trago em sua íntegra abaixo.

PØ – A banda surgiu no fim dos anos 80, entretanto, não tinha ideia da dimensão da corrente do Trash Metal ou do Death Metal nacional, mas muito antes disso vieram ao mundo diversas bandas nacionais e internacionais e a grande missão de qualquer banda não só do Trash Metal como no rock é se consolidar mundo a fora, associado a isso, tem o fator de uma parcela dos amantes do estilo musical não prestigiarem o artista indo a shows ou até mesmo adquirir o merchandising da banda(s). Existe uma certa dificuldade das bandas brasileiras se consolidarem? 
RS – A questão maior é da banda, por exemplo, o Tourture Squad começou no fim dos anos 80, com o Cristiano, o Almicar, Fuvio e o Castor e desde então a banda sempre teve em sua mente compor, ensaiar bastante e fazer turnê dos discos então sempre teve essa preocupação de manter a banda sempre em atividade. A banda nunca parou desde seu nascimento até esta entrevista a banda sempre esteve na estrada, esteve ensaiando muito, gravando discos, clipes, enfim, tudo o que uma banda deve fazer na nossa visão poder consolidar na cena do metal nacional e eu acredito que por causa da banda e dessa vantagem de funcionar tudo certinho é o que faz consolidar o Torture Squad, e manter atividade até hoje. Os produtores de shows nos ajudam bastante na organização e divulgação, mas nada acontece se a banda realmente não estiver focada naquilo que ela quer e é essa minha opinião e acredito que seja a dos meus amigos também o que faz a banda estar em atividade, estar sempre nas mídias, mostrando e tocando ao vivo – o que é mais importante. Na gravação do disco quisemos passar algo mais natural possível que é o que nós fazemos ao vivo, usando nossos próprios instrumentos, nossos amples, etc. É algo muito orgânico essa questão.

PØ – A banda lança o oitavo álbum em 2017 intitulado Far Beyond Existence. Conte um pouco sobre o processo de criação do álbum, se tiveram certa dificuldade acerca de unir as ideias dos demais membros da banda ou houve um consenso e partiram para as gravações?
RS – Sempre há discussões, mas sempre no aspecto de “good vibes”, sempre rola pequenas divergências, mas sempre para o bem da banda, mas a maior parte em 99% são de coisas em que todos concordam, onde todo mundo está na mesma vibe, todo mundo sabe o que quer. Essa formação posso dizer que todo mundo tem a mesma vibe onde todo mundo gosta do som que nós fazemos, os sons antigos da banda e eu mesmo sou fã da banda há mais de 20 anos e eu estou na banda há 3 então conheço os caras, sempre acompanhei a banda, então para mim estar na banda tocando eu sei o que fazer para mostrar o que é o Tourture Squad, onde nós estamos cientes do que temos que mostrar. Nós ensaiamos bastante para sempre manter o ritmo da turnê onde durante a semana ficamos ensaiando e um dos dias dos ensaios utilizamos para compor, fazer um brainstorming de ideias e nos outros dias utilizamos para fazer o setlist dos shows.

PØ – Nos últimos shows vocês estão dividindo o palco com os Zumbis do Espaço fazendo shows pelo interior de São Paulo como está sendo fazer essa turnê com eles e a recepção do público perante essa dobradinha no palco?
RS – A turnê está sendo bem legal no interior de São Paulo onde estamos tocando em casas muito boas tem encontrado uma galera na sede de ver as bandas, fizemos no ano passado uma turnê nesses mesmos moldes passando pelo país inteiro e está sendo bastante corrido, cansativo, mas a gente gosta do que faz.

PØ – Pretendem entender esta turnê?
RS – Sim! Além do mais que a partir de segunda feira vamos iniciar os trabalhos da nova turnê sul-americana, onde iniciamos os shows na Colômbia na próxima quinta (01) e de lá iremos passar por Equador, Bolívia, Chile e voltamos ao Brasil em 10 de Abril, onde vamos dar uma respirada.

PØ – Mediante essa questão de irem a outros países, gostaria de saber de você qual a visão acerca do público internacional sobre o nosso estilo heavy metal, o trash metal feito por brasileiros sendo aceito pelos gringos.
RS – O que nós fizemos de diferente em determinados públicos é apenas a parte cultural, os costumes locais, o calor do público que curte o estilo agora a parte do metal é muito parecida no sentido de que a galera realmente curte, consome nosso material no sentido de ser fã mesmo, de apreciar a música, apreciar os discos. A diferença em si é apenas cultural, mas a vibe é a mesma, muito forte.

PØ – Pelo mundo existem diversos festivais de rock e conhecidos pelo grande público como o Reading e Leed, Glastonbury Festival, o Wacken entre outros, no qual muitas bandas consagradas já passaram. Entretanto vejo a uma mínima presença das bandas brasileiras nestes festivais. Existe alguma dificuldade ou mesmo até um mal assessoramento as bandas até chegarem a esses festivais e por fim conquistarem seu espaço no cenário internacional?
RS – Depende muito do que a banda quer. Para que isso aconteça realmente tem que dar uma ralada no sentido de que nem tudo são flores, onde você tem que estar com a banda em dia (musicalidade), a parte musical deve estar impecável e fora isso deve-se trabalhar bastante com meios de divulgação, trabalhar com pessoas que marcam turnês da maneira certa. Nós começamos a fazer turnês em 2016 de segunda a segunda assim como se faz no exterior e esse estilo de trabalho aqui no Brasil é novidade. Na minha visão as bandas devem trabalhar o pré- palco e o pós-palco, onde trata-se de uma grande arquitetura e que as pessoas devem ter conhecimento disso e as bandas entenderem que tudo isso gira entorno de negócios.

PØ – Teve um fato não tão recente que me chamou bastante a atenção que trata-se de um show feito em Brasília em 2017, no qual a banda Soul Factor, podemos dizer que foi sacadado do show segundo especulações pelo fato da banda simplesmente ser do gênero White Metal ou mencionar que a mesma seja uma banda cristã. Como integrante da banda gostaríamos de saber seu posicionamento acerca da polêmica em si.
RS – Para começar nós não estamos nem aí com a questão espiritual de cada um, onde temos a nossa e cada um tem que ter a sua e nós não boicotamos, onde o que aconteceu de fato foi que recebemos um aviso de uma certa pessoa dizendo que nós iriamos tocar junto com uma banda de white metal e nós comentamos com o nosso booker se era legal isso acontecer ou não e como seria a repercussão e alguém que estava tomando conta destas informações meio que fez uma espécie de telefone sem fio dizendo que o Torture Squad tirou a banda, o que não é verdade. Trata-se de um mal-entendido e as pessoas adoram criar boatos acercas deste tipo de polêmica. Nós queremos fazer o nosso som e não estamos preocupados com esse tipo de questão, mas temos que tomar cuidado, mas ressalto que tudo isso não passa de um mal-entendido e essas pessoas que pegaram essa informação divulgaram a la Hollywood. Nós já presenciamos diversos casos de tretas deste tipo em shows e nós temos uma ideologia, no caso cada um tem a sua e todos nós unidos pela música, onde eu estou preocupado com o timbre da minha guitarra, preocupado com a forma que nós estamos tocando. Nós não temos nada contra o estilo que eles tocam, onde eles têm uma visão espiritual diferente e que respeitamos só que ao mesmo tempo, temos que ter cautela, pois, as vezes pode ser um evento que tem um certo público que não gostaria de pagar o ingresso e assistir uma banda que não fala uma letra ou algo que o público não quer ver. Enfim, perguntamos ao nosso promotor se não teria nenhum tipo de problema e talvez essa questão não tenha sido muito bem combinada com os responsáveis pelo show e deu-se a derradeira dizendo que boicotamos, na verdade não foi isso o que aconteceu.

Nesse meio tempo, os caras do Zumbis do Espaço já iriam subir ao palco e encerramos a entrevista, e já estava pronto para presenciarmos as bandas em ação. Aqui abro um parêntese e agradeço ao Rene por conceder a entrevista, um cara muito gente boa, tranquilo e que com certeza tem potencial de sobra para ficar por muito tempo no Torture Squad.

Eram mais ou menos 18:15 quando a banda paulista Zumbis do Espaço subiram ao palco, abrindo os trabalhos no Fabrique Club. A banda é formada por Zumbilly (bateria), Gargoyle (baixo), Manialcöol (guitarra) e Tor (Vocais) tem 21 anos de carreira rodando o país inteiro espalhando o Rock’ N’ Roll com alguns elementos de punk rock, metal, country e rockabilly, onde cantam em português onde em suas letras tem uma temática que nos remete a filmes, histórias em quadrinhos, histórias de terror entre outros elementos.

O set deles foi bem extenso e são músicas as vezes agitadas, outras com uma pitada de progressivo, ao ponto da galera fazer mosh em algumas músicas. Além do público com mais de 30 anos que acompanhou o início da banda, também a galera da nova geração aprovou o estilo diferente da banda paulista em fazer um rock diferente, o que me surpreendeu também onde já tinha ouvido alguns CDs mas ao vivo, foi a primeira experiência e que vale muito a pena prestigiar o show deles e aprovo com louvou o show deles.

As 19:30 foi a vez da banda principal da noite. O Torture Squad adentra ao palco e a galera chegando e lotando a casa e não tinha photo pit, então, facilitou meu trabalho em ver o show e ficar no diante do front da porradaria ao lado dos colegas de imprensa e fotógrafos de demais veículos de comunicação.

Atualmente, formado por Amilcar Christófaro (bateria), Castor (baixo e vocais de apoio), Rene Simionato (guitarra) e Mayara Puertas (Vocal), a banda passou pelos principais sucessos dos CD’s anteriores e priorizaram mais as músicas do oitavo disco Far Beyond Existence lançado pela gravadora Secret Service.

O que pode-se dizer do show do Torture foi um show fora do comum, a galera não parou um só minuto, muito mosh da primeira a última música e aqui cabe o destaque a potencialidade vocal de Mayara Puertas com uma técnica totalmente diferente que aliado aos arranjos do novo disco casou bastante, dando mais energia e força as música. Realmente a presença vocal dela é surpreendente. Ou seja, um show que não fica devendo e reforça a força do Torture Squad no cenário do metal nacional e que perpetuará por muito tempo.

A banda após dividir o palco com Zumbis do Espaço na turnê Esquadrão de Zumbis, partirá agora em uma turnê pela América do Sul a iniciar no dia 1° de março em Tunja, Colômbia e encerrando no dia 8 de Abril em Rancagua, Chile, ou seja, tem muito show e muito metal brasileiro a se espalhar pela América do Sul.

Em nome do Ponto ZerØ agradecemos ao Gleison Junior da Roadie Metal Press pelo fornecimento da credencial para a realização da cobertura.

Setlist – Zumbis do Espaço
Terras de Sangue
O Mal Imortal
Casa dos Horrores
A Última Oração
Dia dos Mortos
Banho de Sangue
Mutante
Inspirado pelo Cão
Mato Por Prazer
O Chamado Da Estrada
Missão de Satanás
Jogos de Horror
Marca dos 666/Sabbath
Espancar e Matar
Satan Chegou
Prostibulo
Que Venham Mortos
Vampira
Caminhando e Matando
O Mal nunca Morre
Bonus
Carcaça
Enquanto eu Defecar
Guardada para Sempre
Marte Ataca
Diabos Mutanes
Cão do Inferno
Alma Envenenada

Setlist Torture Squad
Don’t Cross My Path (Intro)
No Fate (Intro)
Area 51
The Unholy Spell
Heellbound (Intro)
Cursed by Disease (Drums)
Raise Your Horns
Horror and Torture (Intro)
Hero For The Ages
Corporación Del Caos
Return Of Evil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Navigation