IRA AGITA O PÚBLICO NO SESC BELENZINHO TOCANDO O CD PSICOACUSTICA NA ÍNTEGRA E DEMAIS SUCESSOS

Por Thiago Tavares

Nos dias 14 e 15 de setembro, o SESC Belenzinho apresentou o show que sem dúvidas foi o evento do ano na unidade, onde inauguraram o mais novo projeto musical com o pé direito. O projeto intitulado Álbum, que tem o propósito de remontar a memória da música brasileira por meio de registros fonográficos recebeu a mais clássica banda de rock nacional que se tem notícia. O Ira! nos dois dias apresentou na íntegra o álbum Psicoacústica (1986), que em 2018 completou 30 anos, no qual o grupo veio com sua formação desde a volta aos palcos em 2014: Nasi (vocal), Edgard Scandurra (guitarra e vocais), Evaristo Pádua (bateria), Johnny Boy (teclados e violão) e Daniel Rocha (baixo).

E por que já início essa matéria mencionando que já considero o evento do ano? Pois a procura foi tão grande pelos dois shows que os ingressos se esgotaram em poucos dias, isso dito por fonte próximas a pessoa que vos escreve, tanto é que isso refletiu no dia em que eu e o fotógrafo Daniel Ometo comparecemos para fazer a cobertura do show no sábado. Uma fila imensa! A galera em peso querendo conferir o show pois não é todo momento que o Ira! aparece para fazer show na terra da garoa.

E as 21:30, iniciou-se o show onde a banda tocou as oito faixas do disco, disco este que é considerado um divisor de aguas na carreira da banda, onde pode-se constatar uma mistura de estilos musicais: por um lado, inspirações do rock dos anos 60 e outro lado, elementos do hip-hop, estilo musical que começava a sua ascensão a partir das periferias.

O fato mais gratificante que se pôde ver é que a galera que compareceu ao show era bastante diversificada no quesito de faixa etária. Você via pessoas que era possível deduzir que eram da época de lançamento do disco, pois sabiam as letras da primeira até a última faixa. E também tinham pessoas mais novas, que conhecem os últimos álbuns e sucessos da banda que prestigiaram e tiveram a oportunidade de conhecer um pouco mais o início da caminhada do Ira! rumo ao reconhecimento do público perante ao rock, estilo que na época, tinha nomes de peso no cenário nacional como Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, Titãs, Ultraje a Rigor entre outros.

A inspiração para as letras do disco veio do filme O Bandido da Luz Vermelha (1968), de Rogério Sganzerla, que tem uma fala apresentada logo de cara em Rubro Zorro, uma história muito bem amarrada e com um arranjo cheio de guitarras.

Manhãs de Domingo já tem uma pegada de rock dos anos 60 e é uma música que fala da vida dos adolescentes que chegam em casa somente de manhã.

Receita Para Se Fazer um Herói é um reggae que fala sobre ascensão e queda de alguém que vira herói perante outras pessoas. Um fato curioso é que está musica teve um imbróglio com o poeta Reinaldo Edgar Ferreira – no fim, a ação por plágio foi resolvida e o nome dele consta nos créditos.

Inspirada em The Jam, Pegue Essa Arma é outra com um sampler do filme de Sganzerla a estar presente no disco.

Já em Farto do Rock ‘n’ Roll coloca essa em evidência essa mescla de estilos musicais que constam nesse álbum, musica essa que é interpretada por Edgard Scandurra.

Advogado do Diabo é a mistura de rock, hap, e embolada, estilo musical nordestino e que lembra bastante os clássicos do Nação Zumbi, tanto nos arranjos quanto na letra da música.

Para encerrar, a boa Mesmo Distante mistura um tom de bardo contador de história com um tom psicodélico.

É muito bom ver o Ira! novamente, engatando uma série de shows Brasil a fora, e por meio de seus sucessos, mostrando que o rock brasileiro não morreu como muitos pensam, mas com certa a banda tem seu capítulo a parte no gênero musical.

O Ira! tem shows nos dias 22 de Setembro em Vinhedo (SP) e 29 de Setembro em Cocal do Sul (SC).

Em nome do Ponto ZerØ, agradecemos a Mariana Ramos, da assessoria de imprensa do SESC Belenzinho pelo fornecimento das credenciais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Post Navigation