Tag Archives: Eloy Casagrande

SEPULTURA VOLTA A SÃO PAULO PARA O ENCERRAMENTO DA MACHINE MESSIAH WORLD TOUR NA AUDIO SÃO PAULO

Por Thiago Tavares

O dia 27 de outubro sem sombra de dúvidas não sairá da memória dos headbangers de São Paulo que compareceram ao Audio Club, para assistirem e apreciarem uma das maiores bandas de metal do país, respeitado em praticamente todos os lugares por onde passam neste mundo. Os caras do Sepultura, formado por Derick Green, Andreas Kisser, Paulo Junior e Eloy Casagrande, passaram por terras paulistas para esta que pode ser a última apresentação da banda, encerrando-se assim a tour do último CD intitulado Machine Messiah, de 2017, disco esse com muitos elogios da crítica especializada.

Mas a noite não ficaria apenas restrita a show dos mineiros. A banda convidou outros dois grupos para iniciar os trabalhos e assim, aquecer os motores para o caos e o terror que aconteceria logo mais tarde.

Pontualmente, as 21hrs subiu ao palco da Áudio, uma banda que nós do Ponto ZerØ vem acompanhando seu trabalho impecável que vem conquistando um público até que desconhecido, mas se depender do barulho que fazem, os caras conquistaram mais admiradores. De Santo André, os caras da banda MX, fizeram um som com competência, apresentando música de álbuns antigos e priorizando músicas do mais recente trabalho, intitulado A Circus Called Brazil, onde depois de certo tempo em pausa, ressurgem com um trabalho muito bem produzido e com certeza, já estão colhendo os frutos. A apresentação que foi em torno de 40 minutos agradou bastante os presentes.

Após a apresentação da MX, apresentou-se os conterrâneos do Sepultura, banda essa que até a apresentação de sábado não tinha conhecido, mas após a mesma, tenho que abrir os olhos e os ouvidos.

As 22hrs adentram ao palco da Audio o Eminence. Formado por Alan Wallace (Guitarra), Bruno Paraguay (Vocal), Davidson Mainart (Baixo) e André Marcio (Bateria), a banda mineira formada em 1995 apresentou seus maiores sucessos com sua discografia de 4 CDs de um grupo que vem lutando de forma incansável para divulgar seus trabalhos, isso porque já tocaram em diversos países, mas dificilmente se vê no Brasil. No show foi possível a técnica vocal de Bruno Paraguay nas músicas e uma cozinha bastante competente nos arranjos e as músicas executadas por eles agitaram o público presente, que aumentava a cada instante, mas quem viu o Eminence, gostou bastante. Abro um parêntese aqui e peço mais shows deles em sampa, afinal, temos que valorizar o que criamos de bom por aqui.

E após a apresentação da primeira leva de mineiros, iria vir a segunda leva de mineiros de responsa, e que responsabilidade eles carregam, levantando o nome do Brasil mundo afora e disseminando para os quatro cantos que sabemos fazer um metal de qualidade e que o respeito deve sim ser respaldado a eles.

E as 23hrs a espera já tinha acabado. A casa realmente chegou a sua lotação máxima para ver a banda que é sinônimo de representatividade do metal do Brasil para o mundo inteiro. O Sepultura sobe ao palco tocando o terror já agitando a galera com uma música do último álbum: I’am The Enemyonde a primeira de diversos moshs que foram feitos até o fim do show.

E aparentemente o Sepultura veio com um set arrebatador, não focando no novo trabalho, mas também priorizou “algumas coisas velhas”, palavras do guitarrista Andreas Kisser ao se referir a clássicos da banda, onde convenhamos, hoje é complicado fazer um setlist do Sepultura de forma justa, pois dificilmente deixar alguma música, as mais clássicas, é quase uma heresia.

O set em si foi meio que voltar ao tempo. Ouvir novamente Territory (1996), Choke (1998), Desperate Cry (1992) colocaram a galera em êxtase, relembrando os áureos tempos de MTV que valorizavam e muito os videoclipes. A porradaria rolou a solta, Derirck cantando horrores, em sua melhor performance, a cozinha mostrando um nível de técnico monstruoso.

Foi mais de uma hora e quinze minutos de apresentação arrebatadora, onde o bis não poderia faltar a nata do grupo mineiro: Troops Of Doom, Slave New World, Resistant Parasites (Machine Messiah) Ratamahatta e a cereja do bolo que poucos conhecem… uma tal de Roots Bloody Roots.

O show foi ímpar, onde se possível tocar mais duas horas, os caras tocaram tranquilamente, pois realmente a energia do público era surpreendente, cantando as músicas do início ao fim e o povo de sampa representou demais indo ao show, lotou a casa e fez de uma apresentação, um verdadeiro espetáculo.

Em nome do Ponto ZerØ, agradecemos a Adriana Baldin pelo fornecimento das credenciais do evento.

Sepultura – Setlist
I Amthe Enemy
Phantom Self
Kairos
Territory
Inner Self
Sworn Oath
False
Against
Choke
Boycott
Corrupted
Machine Messiah
Desperate Cry
Refuse/Resist
Arise

Encore
Troops Of Doom
Slave New World
Resistant Parasites
Ratamahatta
Roots Bloody Roots

Sepultura volta a São Paulo com a turnê Machine Messiah

“Bow down to Machine Messiah. Give me your praise. I’ll keep you safe”. Mais uma vez, os súditos do Sepultura podem se curvar e reverenciar Machine Messiah, 14º disco de estúdio da banda, o mais completo e envolvente que a banda fez na era Derrick Green. Reverências também ao vocalista que está completando 20 anos de Sepultura. Duas décadas de uma fúria devastadora nos vocais que o colocou entre os gigantes do heavy metal mundial.

Após uma movimentada turnê que passou pela Àsia, Europa, Austrália, Nova Zelândia entre outros países, o Sepultura volta à São Paulo em outubro com a turnê Machine Messiah. O heavy metal continua em segurança. Curvem-se, eles estão voltando.

Serviço Sepultura – Audio
Tour Machine Messiah
Bandas Convidadas:  Eminence  (BH) e MX (ABC Paulista)
Data: 27 de outubro (sábado)
Abertura da casa: 20h00
Classificação: 18 anos
Local: Audio
Endereço: Av. Francisco Matarazzo, 694 – Barra Funda – São Paulo – SP
Capacidade da casa: 3.200 pessoas
Acesso para deficientes: sim
Local para alimentação: sim
Wifi: sim
Venda Ingressos: Bilheteria Audio (de segunda a sábado das 13h às 20h)
Site ou aplicativo Ticket360 – https://www.ticket360.com.br/evento/9312/sepultura
Cartões: Visa, Master, Amex, Hipercard

Rock in Rio anuncia primeiras atrações

Organização traz dia dedicado ao metal: IRON MAIDEN, Scorpions, Megadeth e Sepultura em uma noite emblemática

Espaço Favela, nova área do Rock in Rio, também divulga seu primeiro headliner, a banda Canto Cego, da Favela da Maré.

Evento reforça datas oficiais: 27, 28 e 29 de setembro, 3, 4, 5 e 6 de outubro de 2019, na Cidade do Rock, na Barra da Tijuca.

O Rock in Rio vai oferecer não só uma noite para recordar, mas também histórica. Depois de uma edição sem os tradicionais metaleiros na Cidade do Rock, em 2017, a organização do Rock in Rio traz um presente especial aos fãs e anuncia, para 2019, um dia inteiro dedicado a esse gênero musical. Será um revival da primeira edição do evento, em 1985, quando as noites com essas bandas de heavy metal levaram até 300 mil pessoas ao evento. Trinta e três anos depois, com o IRON MAIDEN como headliner, os alemães do Scorpions, os americanos do Megadeth e os brasileiros do Sepultura, o Rock in Rio promete mais uma noite memorável, no dia 4 de outubro. Além do Palco Mundo, o Rock in Rio anuncia seu primeiro nome do Espaço Favela, uma nova área do festival, a banda Canto Cego, formada na Favela da Maré. Estes anúncios marcam o início da contagem regressiva de um ano para o Rock in Rio 2019, que acontecerá nos dias 27, 28 e 29 de setembro e 3, 4, 5 e 6 de outubro de 2019, na Cidade do Rock, na Barra da Tijuca (Parque Olímpico — Av. Salvador Allende, s/n).

Para Roberto Medina, presidente do Rock in Rio, anunciar toda a programação para o Palco Mundo na noite de metal é uma maneira de homenagear essa comunidade de metal, que em 2017, não foi representada. “Para a edição de 2019, começamos nosso booking com o foco neste público, porque eles fazem parte da alma do Rock in Rio quando invadem a Cidade do Rock de preto. Anunciar todas as atrações como este anúncio é como dar um presente para eles”, afirma Medina lembrando que “a reunião destes ícones da música em uma única noite será outro momento histórico que o Rock in Rio proporcionará para quem vai nos visitar. É como assistir a um filme e relembrar uma história que começou com eles há 33 anos”, comenta.

O IRON MAIDEN foi uma das primeiras atrações já anunciadas ao Rock in Rio, tocando na noite de abertura da lendária edição de 1985, em 11 de janeiro. Outras performances inesquecíveis na Cidade do Rock se seguiram quando foram headliner nas edições de 2001 e 2013, quando os 90 mil ingressos foram vendidos em poucas horas. Em outubro de 2019, os britânicos tocam no festival pela quarta vez e vão apresentar o show da sua última turnê Legacy Of The Beast, que está sendo saudada pelos fãs e pela mídia como o show mais extravagante e visualmente impressionante da carreira da banda com um repertório de sucessos de décadas e favoritos dos fãs, incluindo algumas músicas não tocadas ao vivo por muitos anos.

IRON MAIDEN é uma instituição. Ao longo de 43 anos, eles passaram a incorporar um espírito de independência criativa destemida e dedicação feroz aos seus fãs, o que lhes rendeu seguidores que abrangem todas as culturas, gerações e fusos horários. Com mais de 2.000 performances ao vivo, dezenas de milhões de fãs e 16 álbuns de estúdio, IRON MAIDEN é uma das bandas de rock mais influentes e reverenciadas de todos os tempos.

Outra atração neste dia para relembrar e que coincidentemente marcou a história do maior festival de música e entretenimento do mundo, a banda Scorpions também estave lá em 1985, nos dias 15 e 19 de janeiro, e agora eles estão de volta para sua segunda apresentação no Rock in Rio como “special guests”. Dos cinco integrantes, o vocalista Klaus Meine e os guitarristas Rudolf Schenker e Matthias Jabs irão reviver a emoção de um grande público cantando seus maiores sucessos como “Wind of Change”, “Rock You Like a Hurricane” e “The Zoo”. Desde 1965, a banda de hard rock já gravou 19 álbuns de estúdio e vendeu cerca de 160 milhões de cópias em mais de 50 anos e eles ainda têm uma agenda muito ocupada. Em seu currículo, eles têm diversos prêmios, entre eles na categoria Lendas do Rock, no World Music Awards.

Já o Megadeth se apresentou no Rock in Rio II, em 1991, e nesta oitava edição no Brasil, os americanos trazem um carioca entre seus integrantes: o guitarrista Kiko Loureiro, ex-Angra, que ingressou na banda de thrash metal em 2015. O convite veio do vocalista Dave Mustaine, que fundou o Megadeth em 1983. Para esta edição, o Megadeth fará a   Dystopia World Tour, que já passou por vários países. Em seus 34 anos de atividade, o Megadeth foi indicado para 12 Grammys e ganhou em 2017 com a música “Dystopia” na categoria Best Metal Performance. Eles prometem trazer vários sucessos para a Cidade do Rock como o clássico “Symphony of Destruction”.

Abrindo a noite do Palco Mundo, a banda que colocou o Brasil no mapa mundial de Heavy Metal e com extensa carreira internacional, o Sepultura volta ao Palco Mundo reforçando sua longa parceria com os palcos do evento. Presentes em diversas edições do festival, começando pelo Brasil em 1991, assim como nas edições em Lisboa e Las Vegas, o Sepultura, mais uma vez, celebra a noite do metal com os amantes do gênero. Seu mais recente álbum, Machine Messiah, foi lançado em 2017 e alcançou suas melhores posições na Suíça, Alemanha, Áustria, Bélgica e Portugal, sua carreira traduz a excelência de seu trabalho, que começou em 1984, em Belo Horizonte, Minas Gerais. A banda já ultrapassou os 20 milhões de álbuns vendidos.

Espaço Favela já tem sua primeira atração – Banda Canto Cego fecha a noite nesta nova área do evento

Além de todas as atrações de metal do Palco Mundo, a organização do Rock in Rio apresenta o primeiro headliner do Espaço Favela: a banda Canto Cego, que iniciou seu processo criativo há oito anos na favela da Maré e já ganhou palcos do Brasil e de outros países, como a Suíça, quando se apresentou no Montreux Jazz Festival, realizando ainda uma turnê pelo país.

A inspiração do nome Canto Cego, que nasceu em 2010, veio de dentro da Maré, onde o grupo formado por Roberta Dittz, Rodrigo Solidade, Magrão Kovok e Ruth Rosa ensaiou sem parar por mais de dois anos até ganhar corpo para encarar os desafios sombrios que a música propõe. A partir de um misto de poesia e batidas pesadas do rock, eles tinham o objetivo de gerar uma reflexão em quem os ouvisse abordando a dicotomia dos mundos. Sem saber como começar, se inscreviam em festivais, os quais os ajudaram a desbravar o mercado conquistando prêmios, como 1º lugar do Festival de Nova Música Brasileira (2012), e a tocar efetivamente com bandas renomadas como Detonautas, Biquini Cavadão, Ira, Fresno e Ultraje a Rigor em palcos do Rio de Janeiro e de outras cidades do país, como São Paulo, Salvador, Recife, Fortaleza, João Pessoa… Desde então, não parou mais. Agora, chega ao Espaço Favela, do Rock in Rio, ganha holofote e voz para encarar uma plateia de milhares de pessoas. E se estar no festival de Montreux os deixou com o coração fervendo, como eles mesmos relatam, a expectativa para o Rock in Rio será mais um divisor de águas em suas vidas.

“Estamos fazendo uma curadoria de peso nas favelas, buscando conteúdos genuínos de muita qualidade e evidenciando o potencial incrível das comunidades. Queremos mostrar para as bandas que se apresentarão que acima de tudo, elas podem e devem estar ali. São poderosas e só precisam do holofote direcionado corretamente. Porque a voz, eles já têm. As bandas que apresentaremos estão prontas para mostrar seus trabalhos e nós estamos prontos para recebê-las. O Espaço Favela não é um lugar de assistencialismo”, garante Zé Ricardo, diretor artístico do Espaço Favela e do Palco Sunset.

Com cenografia lúdica e bem colorida, o Espaço Favela vai levar para a Cidade do Rock toda a cultura artística e capacidade empreendedora das comunidades do Rio de Janeiro. Uma curadoria de bons talentos que vem destes locais, mas que muitas vezes não tem tanta representatividade, vai dar voz a esta parte da população. Curador artístico do palco, Zé Ricardo, fez uma busca dentro das favelas do Rio de Janeiro para trazer ao festival toda a diversidade e potências culturais que existem por lá. O público terá a oportunidade de conferir apresentações de orquestra, artistas dos mais variados ritmos deste MPB até Funk, além de declamações de poesia e dança.

“A música tem poder de transformação e é isso que será reforçado no espaço. Dentro das comunidades existe arte e uma grande economia criativa. É preciso dar voz ao artístico e abrir este diálogo com a população como um todo”, conta Zé Ricardo.

O Espaço Favela contará ainda com bares, escolhidos por meio de uma parceria com o Sebrae, em uma cenografia deslumbrante que, em dimensões, pode ser considerada maior que o Palco Mundo.

Em breve novos nomes serão anunciados nos canais oficiais do evento, mas pelo ponto de partida, o público pode esperar mais uma edição inesquecível em 2019.  Em breve serão também anunciadas as informações sobre a venda antecipada do Rock in Rio Card, que será realizada em novembro ainda desse ano.

Sobre o Rock in Rio

O Rock in Rio é o maior evento de música e entretenimento do mundo. Criado em 1985 e com 33 anos de vida, é parte relevante da história da música mundial. O evento já soma 19 edições, 112 dias e 2.038 atrações musicais. Ao longo destes anos, mais de 9,5 milhões de pessoas passaram pelas Cidades do Rock. Nas redes sociais, os números da edição de 2017 são bem impactantes. São 143 milhões de pessoas alcançadas por conversas espontâneas sobre o Rock in Rio e 41,9 milhões de visualizações de vídeos nas redes do festival somente durante os dias de evento.

Nascido no Rio de Janeiro, o Rock in Rio conquistou não só o Brasil como, também, Portugal, Espanha e Estados Unidos, sempre com a ambição de levar todos os estilos de música aos mais variados públicos.

Muito mais que um evento de música, o Rock in Rio pauta-se também por ser um evento responsável e sustentável.  Em 2001, por meio do projeto social “Por um mundo melhor”, assumiu o compromisso de conscientizar as pessoas para o fato de que pequenas atitudes no dia a dia são o caminho para fazer do mundo um lugar melhor para todos. Em 2013, o Rock in Rio recebeu a certificação da norma ISO 20121 – Eventos Sustentáveis, um reconhecimento do poder realizador da marca que desenvolve diversas ações com vista à construção de um mundo melhor, como a criação de 212,5 mil empregos diretos e indiretos no total das 19 edições, e mais de R$ 100 milhões investidos em causas socioambientais e a construção de um legado positivo para as cidades onde o evento é realizado. Em 2016, foi anunciado o projeto socioambiental do Rock in Rio Amazonia Live, que estará presente nas edições do festival até 2019 em todos os países onde o evento é realizado. Com o projeto, já foram angariadas mais de 73 milhões de árvores por meio de doações.

Mais informações:
http://rockinrio.com/