Tag Archives: Prophets Of Rage

PROPHETS OF RAGE LANÇAM PRIMEIRO ÁLBUM EM 15 DE SETEMBRO

Crédito: Travis Shinn

PROPHETS OF RAGE: TOM MORELLO, TIM COMMERFORD, BRAD WILK, CHUCK D, B-REAL e DJ LORD VÃO LANÇAR SEU EXPLOSIVO E AUTO-INTITULADO PRIMEIRO ÁLBUM EM 15 DE SETEMBRO

Nova música carregada de mensagens políticas “Unfuck The World” lançada HOJE – Ouça http://found.ee/ProphetsSpotiy

O fantástico vídeo dirigido por Michael Moore estreia hoje na VEVO – Assista aqui http://vevo.ly/Ii520a
O álbum com 12 músicas produzido por Brendan O’Brien apresenta arte criada por Shepard Fairey

LOS ANGELES, CALIFÓRNIA (1º de junho de 2017) Prophets Of Rage: Tom Morello, Tim Commerford, Brad Wilk, Chuck D, B-Real e DJ Lord, após passagem pelo Brasil, vão lançar seu primeiro e auto-intitulado álbum de estreia em 15 de setembro de 2017 pelo selo Fantasy Records. A capa do álbum foi feita pelo icônico artista de rua Shepard Fairey.

Hoje, os músicos inovadores compartilham com o público sua primeira música carregada de mensagens políticas “Unfuck The World,” com um sensacional vídeo dirigido pelo cineasta e ativista Michael Moore na plataforma de vídeos VEVO. “Eu estou animadíssimo em mais uma vez trabalhar com meus camaradas e amigos de longa data, e em lutar por um mundo mais justo,” disse Moore.” “Prophets Of Rage é a banda certa, falando a coisa certa, nesse momento crítico. Esse video é o nosso grito coletivo contra aqueles que procuram prejudicar os inocentes e os menos poderosos. Eu estou orgulhoso em ter dirigido esse vídeo e eu peço a todos que o assistirem a fazer a sua parte para unfuck this world (“desfoder” o mundo).

O Prophets Of Rage se juntou durante a tumultuada eleição de 2016 para combater a tempestade que estava chegando. Renovados após a bem-sucedida tour MAKE AMERICA RAGE AGAIN, o grupo sabia que poderia evoluir de uma apresentação de protesto com uma missão tática, para uma simples entidade com ideias criativas próprias. Juntamente com o antigo colaborador do Rage Against The Machine, o produtor Brendan O’Brien, a banda misturou diversos estilos, o poder de fogo sonoro e a porrada social conscientizadora do seu trabalho anterior, em uma nova declaração musical criativa e convincente, completando a gravação do álbum de doze faixas em pouco mais de um mês de estúdio. O Prophets Of Rage rapidamente se tornou tanto uma experiência relevante para seus membros quanto uma chamada para o mundo todo entrar em ação.

As sessões criaram um novo espaço para crescimento e progresso, seja com a incorporação das turntables de DJ Lord ou com assuntos corriqueiros de B-Real, como por exemplo a vivência na rua na música “Living On The 110.” “Quando nos juntamos, nós estávamos tocando músicas do nosso catálogo, mas dessa vez nós também estávamos tocando novos grooves, com todos improvisando. E isso fez nos sentir muito bem,” Wilk recorda. “Rapidamente já havia uma linguagem que todos nós falavamos.” “Nós saímos em tour e ficamos bons como uma banda,” Commerford adiciona. “Nós estavamos fazendo música do mesmo jeito que as bandas faziam música antigamente.”

Na sua essência, o Prophets Of Rage funciona não apenas pelo amor à música, mas também acreditando profundamente na força de uma ferramenta ou de uma arma. “Existem ritmos antes mesmo de existirem palavras,” observa Morello. “A música tem tanto a habilidade de refletir como de mudar os tempos. Existe uma longa história desde ‘We Shall Overcome,’ até os Sex Pistols.” Dentro do DNA da banda, há influências variadas que vão de The Clash, KRS-One, a Johnny Cash, assim como as ideias e estéticas de seus antecessores: a textura das letras do Public Enemy, os riffs de quebrar o queixo do Rage Against The Machine, e a energia de festas alucinadas do Cypress Hill’s. “A música é o passaporte para o mundo,” diz Chuck D, descrevendo a ligação que os músicos da banda tem. “Não é sempre que temos a oportunidade de ir aonde poucos até hoje já foram.”

Como a banda se pronuncia claramente no final do provocante novo vídeo, “O mundo não vai mudar sozinho, cabe a você.”

Pré-Venda Prophets Of Rage:
Itunes
http://found.ee/ProphetsiTunes

Amazon
http://smarturl.it/ProphetsAmazon

Ouça “Unfuck The World” no Spotify http://smarturl.it/ProphetsSpotify  e na Apple Music <http://found.ee/ProphetsApple> .

Assista o vídeo de “Unfuck The World” na VEVO http://vevo.ly/Ii520a.

Prophets Of Rage online:
http://prophetsofrage.com/
https://www.instagram.com/prophetsofrage/
https://www.facebook.com/prophetsofrageofficial/?ref=br_rs
https://twitter.com/prophetsofrage
#UNFUCKTHEWORLD

Concord Music Group
http://www.concordmusicgroup.com

Maximus Festival reúne 40 mil pessoas em sua segunda edição

No último sábado, 13 de maio, o Maximus Festival reuniu 40 mil pessoas no Autódromo de Interlagos para assistir aos shows de 15 bandas, divididas em três palcos. A segunda edição do festival teve apresentações de Linkin Park, Slayer, Rob Zombie, Red Fang e Böhse Onkelz, no Palco Maximus Stage; Prophets of Rage, Five Finger Death Punch, Ghost, Hatebreed e Oitão, no palco Rockatansky; e Rise Against, Pennywise, The Flatliners, Dead Fish e Nem Liminha Ouviu, no palco Thunderdome.

Foram quase 12 horas de música para diferentes gostos dentro do rock: o festival misturou um público de todas as idades e trouxe bandas já consagradas no estilo, como o Slayer, formada em 1981, até grupos mais atuais, como Ghost, formado em 2008, mas que também contou com um público fiel, cantando suas músicas a plenos pulmões.

O Linkin Park, atração principal da noite, que teve seu BOOM nos anos 2000, reuniu uma multidão de pessoas encerrando o evento com um show de uma hora e meia de duração. O público pode conferir e cantar em coro, além dos sucessos novos da banda, grandes hits como “Breaking The Habit”, “Crawling”, “Numb” e “In The End”.

Além do som de qualidade, o público também pode aproveitar opções de entretenimento, gastronomia e diversão ao longo de toda área do festival, assim em como sua primeira edição. No ano passado, o festival contou com a apresentação de 15 bandas e reuniu 25 mil pessoas também no Autódromo de Interlagos.

Por Midiorama

Slayer e Hatebreed vão estremecer o Maximus Festival, neste sábado, em SP

Evento reunirá quinze bandas no line-up, três palcos e uma incrível estrutura de entretenimento, gastronomia e diversão – foto: divulgação

As bandas norte-americanas Slayer e Hatebreed, dois importantes nomes do cast da Nuclear Blast Records, prometem estremecer a segunda edição doMaximus Festival no Brasil, com suas performances devastadoras e cheias de energia.

O evento, que acontece, neste sábado (13/05), no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, reunirá grandes nomes da música pesada internacional como Linkin Park, Rob Zombie, Red Fang, Prophets of Rage, Five Finger Death Punch, Ghost, Rise Against, Pennywise, entre outros.

Após realizar diversas importantes e especiais apresentações por todo o Mundo, o Slayer, um dos nomes mais importantes da história do heavy metal mundial e uma das atrações mais aguardadas a desembarcar no País nos últimos anos, finalmente tem encontro marcado com seus fidelíssimos fãs neste final de semana.

Com uma infindável lista de hits como “Raining Blood”, “Angel of Death”, “South of Heaven”, “War Ensemble”, “Mandatory Suicide”, “Dead Skin Mask”, “Hell Awaits”, “Seasons in the Abyss”, “Postmortem”, “Disciple”, e diversos outros clássicos, os verdadeiros Cavaleiros do Apocalipse se estabeleceram como um fenômeno global, principalmente por sempre realizar longas e importantes turnês, além de tocar nos principais festivais do mundo.

Agora, os implacáveis e incansáveis Tom Araya (baixo/vocal), Kerry King (guitarra), Gary Holt (guitarra) e Paul Bostaph (bateria) mostram que, mesmo com 34 anos de estrada, continuam cada vez mais esmagadores e brutais ao definitivamente laurearem sua respeitável discografia com o visceral “Repentless”.

O 12º álbum de estúdio do grupo foi produzido por Terry Date, no Henson Studios, em Los Angeles, e marca a estreia em sua nova casa, a gravadora alemã Nuclear Blast, após passar mais de duas décadas na American Recordings.

“Repentless” marca uma série de transições para a banda, mas com sua atitude incontestável, é o disco mais desafiador que o Slayer já fez, porém, é um dos mais pesados, agressivos, raivosos e explosivos na carreira, sempre principalmente recusando-se a atender ao mainstream.

Já o Hatebreed, com determinação e perseverança, voltou a surpreender o cenário do hardcore e heavy metal mundial com o lançamento de “The Concrete Confessional”. Este trabalho produzido pelo renomado Zeuss (Rob Zombie, Soulfly) e mixado por Josh Wilbur (Megadeth, Lamb Of God), fez com que se mantivessem entre as bandas mais importantes dos últimos anos, garantindo a participação nos principais festivais do segmento e conquistando uma nova legião de fãs.

Formada em 1994, o grupo atualmente composto por Jamey Jasta (vocal), Frank Novinec (guitarra), Chris Beattie (baixo), Wayne Lozinak (guitarra) e Matt Byrne (bateria) percorreu um longo caminho na cena underground ao lado de nomes como Slayer, Napalm Death, Deftones, Agnostic Front, Madball e Entombed, antes de conquistar o Grammy Award na categoria de “Melhor Performance Metal” por “Live For This”, que vendeu mais de 1,2 milhão de discos, em 2005.

Além disso, o quinteto já participou da “The Unholy Alliance tour” em 2004, na Europa, com Slayer, Slipknot e Mastodon, embarcaram em uma turnê pelo Velho Continente na qual incluía performance no palco principal do Download Festival, além de terem se apresentado no Ozzfest, no Japão.

Os ingressos para o Maximus Festival 2017 continuam à venda em http://www.livepass.com.br/event/maximus-2017/.

Link relacionados: